Assine Já
segunda, 25 de outubro de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Política

Audiência das contas de Marquinho acontece hoje na Câmara

Contas de 2017 foram rejeitadas pelo TCE

29 maio 2019 - 09h27
Audiência das contas de Marquinho acontece hoje na Câmara

A Câmara Municipal de Cabo Frio realiza hoje, a partir das 15h, uma audiência pública para discutir as contas do Poder Executivo do ano de 2017, ainda na gestão do ex-prefeito Marquinho Mendes. A reunião acontece no plenário do Legislativo e é aberta ao público. Segundo a assessoria da Câmara, estão sendo seguidos os trâmites da Lei Orgânica Municipal e o prazo regimental da Casa Legislativa.

As contas foram apresentadas em plenário no dia 16 de abril, com a leitura do parecer prévio do TCE feita pelo presidente, vereador Luís Geraldo (PRB), encontram-se na Comissão de Finanças, Orçamento e Alienação (CFOA), que se reúne após a audiência para emissão de parecer. O relator do processo é o vereador Vinícius Corrêa (PP), que também é o líder do governo na Casa.

As contas de Marquinho referentes a 2017 foram reprovadas previamente pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ). De acordo com o TCE, houve abertura de crédito adicional de R$ 5.299.689,57 sem a respectiva fonte de recurso. Também foram enumeradas 29 impropriedades, como o déficit financeiro de R$ 2.208.598,08; a inscrição de R$ 2.208.598,08 em restos a pagar não processados sem a devida disponibilidade de caixa; e gasto com pessoal de 66,64% da Receita Corrente Líquida (RCL) do município, que ficou muito acima do teto de 54% estipulado pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), além de uma série de erros contábeis e de problemas nos regimes previdenciários.

Caso o parecer da CFOA também seja pela reprovação, Marquinho terá que obter quórum qualificado, ou seja, dois terços (12 votos) dos votos dos vereadores em plenário para se livrar da reprovação e da nova inelegibilidade de oito anos. Marquinho já encontra-se inelegível por oito anos pelo TRE-RJ, por abuso de poder econômico nas eleições de 2016.