Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
atraso proedi

Atraso não é só no Proedi: músicos cobram dívidas antigas da Prefeitura de Cabo Frio

Protesto iniciado pela rapper Taz Mureb abriu portas para mais cobranças

11 agosto 2015 - 08h53

O protesto da cantora e produtora Taz Mureb, que hoje completa seis dias acampada em frente à Prefeitura, pelo atraso no pagamento da premiação do Programa Municipal de Editais de Fomento e Difusão Cultural (Proedi), não apenas repercutiu na classe cultural da cidade como encorajou outros artistas a cobrarem antigas dívidas, algumas vencidas há mais de um ano. É o caso do músico Léo Barreto.
Segundo o guitarrista, ele se apresentou no fim de 2013 em um projeto da Prefeitura chamado Circuito da Música, na Praia do Forte. Passados 15 dias do show, prazo em que normalmente recebia o pagamento, a Secretaria de Eventos não tinha honrado o cumpromisso. Entre desculpas e promessas, o débito ainda se arrasta.
– A desculpa é sempre a mesma: que o processo havia sumido e que eles iam fazer outro processo juntando todas as bandas à quais eles estavam devendo – comentou o músico.
Em outros casos, se as dívidas são mais recentes, os valores devidos são volumosos. Contratado para tocar no Carnaval e nos intervalos dos desfiles da Morada do Samba, o maestro Jessé Menezes estima em quase R$ 30 mil a conta pendurada pela Prefeitura junto ao grupo de músicos.
Mas, diferentemente do que é alegado no caso de Léo Barreto, segundo Jessé, lhe foi informado que o processo se encontra na secretaria de Fazenda para pagamento, que, no entanto, precisa da liberação do prefeito Alair Corrêa (PP). Inspirado pelo exemplo de Taz, o grupo também estuda uma forma de protestar.
– Vamos fazer uma reunião esta semana para vermos uma forma organizada de também cobrar a Prefeitura – disse.
Pelo Facebook, outros artistas se manifestaram, como o guitarrista Tinho Gita, que ameaça recorrer ao MP para tentar receber seu cachê. Segundo Léo Barreto, falta respeito aos artistas locais.
– Não é desculpa não ter dinheiro já que pra trazer artistas de fora e de renome que, são pagos a vista, a Prefeitura tem dinheiro – argumenta o ‘Nome do Rock’.
Procurado, o secretário de Eventos, Édson Leonardes, não atendeu as chamadas da Folha.