Assine Já
sábado, 04 de julho de 2020
Região dos Lagos
23ºmax
16ºmin
TEMPO REAL Suspeitos: 325 Confirmados: 2996 Óbitos: 179
Suspeitos: 325 Confirmados: 2996 Óbitos: 179
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 260 584 40
Armação dos Búzios X 250 6
Arraial do Cabo 11 73 11
Cabo Frio X 943 58
Iguaba Grande 13 207 20
São Pedro da Aldeia 24 455 16
Saquarema 17 484 28
Últimas notícias sobre a COVID-19
Figueira

Árvore centenária é derrubada em Arraial

Área é aberta para construção de prédio residencial em terreno da antiga sede da FIA

12 agosto 2015 - 09h38

Nicia Carvalho

 

A derrubada de uma figueira de, no mínimo, 100 anos, no úl­timo sábado, pode virar o prin­cipal argumento do vereador Serginho Carvalho (PHS) para uma ação no Ministério Públi­co por crime ambiental contra o secretário de Meio Ambiente de Arraial do Cabo Gontram de Carvalho e o prefeito Wander­son Cardoso de Brito, o Andi­nho (PMDB). No entanto, o líder do governo na Câmara de Vereadores, Luciano Faria de Aguiar, o Tequinho (PPS), con­testa o argumento. A árvore foi derrubada para que seja erguido um prédio residencial no terre­no onde ficava a antiga sede da Fundação da Infância e Adoles­cência, na Praia dos Anjos.

– Foram várias aberrações. Primeiro derrubaram uma árvo­re de cem anos, o que já seria absurdo. Segundo, tramita na Casa processo pedindo tomba­mento como patrimônio muni­cipal. Enquanto tramita, é con­siderada como tombada. Então, não poderia derrubar. Mas pas­saram por cima de todas as leis. São vários crimes cometidos: ambiental, federal, estadual. Só não é municipal – afirmou o ve­reador.

Tequinho refuta as afirmações e argumenta que o processo não tem força de lei, uma vez que não foiu sancionado pelo prefeito.

– Toda lei só é válida depois de publicada. Não houve nenhu­ma infração. O pedido aguarda­va sanção do prefeito, que vetou o processo de tombamento – in­formou.

O imbróglio envolvendo o ter­reno da FIA, como é conhecido, começou em julho do ano passa­do a partir da venda da área de 10 mil metros quadrados por R$ 10,5 milhões.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quarta (12)