Assine Já
sexta, 18 de junho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 42971 Óbitos: 1659
Confirmados Óbitos
Araruama 10577 334
Armação dos Búzios 5176 57
Arraial do Cabo 1486 82
Cabo Frio 11408 615
Iguaba Grande 4427 107
São Pedro da Aldeia 5868 254
Saquarema 4029 210
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Após aprovação sumária na Câmara e bate-boca, antecipação dos royalties é tratada com cautela e sigilo

Em Cabo Frio, incógnita permanece

17 setembro 2015 - 09h43

RODRIGO BRANCO

 

Depois de tanta celeuma e bate-boca público envolvendo o polêmico empréstimo a título de antecipação dos royalties, pos­sibilidade prevista por Resolu­ção 43/2011 do Senado Federal, também chamada de Lei Cri­vella, fez-se o silêncio. Envolto em mistérios e especulações, o assunto, antes falado aos quatro ventos, agora é motivo de discri­ção e sigilo.

Desde que trocou farpas com o deputado estadual Janio Men­des (PDT), que recolhe assinatu­ras para ação pública impedin­do a operação, o prefeito Alair Corrêa, que divulgou vídeo re­batendo o parlamentar, não se pronuncia publicamente. Sua assessoria também não retornou até o fechamento da edição às chamadas da reportagem. Nesse contexto, a boataria ganha corpo e versões contrárias dão conta tanto de que o dinheiro sairá em breve, como que não há mais chance disso acontecer.

No Legislativo, onde o prefei­to compõe maioria, a situação é semelhante, mesmo após uma tentativa do vereador Adriano Moreno (PP) de convocar Alair e Janio para prestar esclareci­mentos na tribuna, fato que, ao menos por ora, parece distante pela ação da bancada governista.

A situação tem trazido emba­raços ao Legislativo, sobretudo pela pressa na aprovação por 16 votos a um, da mensagem do Executivo solicitando autoriza­ção para a operação, ocorrida há três meses. Para o vereador Aquiles Barreto (SD), único a votar contra o empréstimo na ocasião, o debate em plenário ajudaria a evitar o desgaste.

– Acredito que o prazo é cur­to para os vereadores tomarem o conhecimento mínimo sobre o teor das propostas que são votadas com base nos requerimentos de urgência. Um exemplo é a votação para a antecipação dos royalties. Votamos, muitos sem saber exatamente do que se tra­tava, além disso o tema gerou polêmica na cidade com a po­pulação perdida no meio disso. Já se passaram seis meses e até agora nenhum recurso foi libera­do. Então, a matéria poderia ter sido analisada com mais calma – avaliou Aquiles.

Na sessão de hoje, a expecta­tiva é por novos capítulos.