Assine Já
quinta, 01 de outubro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8438 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1675 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 256 15
Cabo Frio 2775 149
Iguaba Grande 699 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
multas

Aplicação de multas divide vereadores

Oposição pede dados oficiais, enquanto bancada governista defende ordenamento da cidade

12 junho 2015 - 10h39Por Nicia Carvalho
Aplicação de multas divide vereadores

Nicia Carvalho

A maneira como as multas vêm sendo aplicadas nas últimas semanas em Cabo Frio continua aquecendo os debates nas ruas e, principalmente, na Câmara, onde os vereadores se dividem sobre o tema. Na sessão de ontem, todos os que usaram a tribuna tocaram no tema, seja para defender a fiscalização ao artigo 24 do Código Trânsito Brasileiro, seja para exigir dados oficiais sobre a ação ou para pedir bom senso dos agentes. Além das multas, os sucessivos problemas de gestão do atual governo também foram alvo de crítica.

– Não temos dados da operação da secretaria de Ordem Pública porque até hoje não responderam meu oficio, mas o próprio prefeito ressaltou o aumento de 300 para 15 mil multas aplicadas. A reclamação recorrente é de que não há bom senso nessas autuações – opinou Aquiles Barreto, que propõe que os recursos da arrecadação sejam aplicados em mobilidade urbana.
O vereador Taylor Jasmin (PRB) rebateu as críticas à fábrica de multas e classificou a postura de Aquiles como eleitoreira.
– A aplicação (de multas) cumpre determinação do código de trânsito. Se a guarda cumpre a lei, não vejo onde está o erro. Não aceito criticar agora como se o governo fosse o patinho feio só porque a eleição está próxima – disparou.
Os vereadores Eduardo Kita (PT), Luis Geraldo (PPS) e Celso Campista (PSB) defenderam respectivamente “o bom senso e não a desobediência à lei” e que “a lei precisa ser interpretada, e não avaliada na frieza das letras”, além de cobrar “campanhas educativas à população”.
Já o vereador Vinícius Corrêa (PP) e Vanderlei Bento (PSDB) são favoráveis à medida e o primeiro classificou o levantamento pedido por Aquiles como “não cumprimento às leis” e fez chamamento para que os guardas participassem do debate, da mesma forma que o secretário de Ordem Pública, Renato Viana, foi convidado pelo líder do governo.
– Só os guardas podem aplicar multas e falar sobre a ação deles sem trazê-los ao debate é discurso fácil. As multas são consequência do ordenamento da cidade – rebateu.

 

* Matéria completa na edição impressa da Folha de hoje.