Assine Já
domingo, 29 de novembro de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 12084 Óbitos: 539
Confirmados Óbitos
Araruama 2426 118
Armação dos Búzios 1132 16
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1129 40
São Pedro da Aldeia 1874 76
Saquarema 1471 92
Últimas notícias sobre a COVID-19
sonegometro

Ao todo, R$ 127 bilhões foram sonegados no Brasil em 2017

Sonegômetro registra débito de grandes empresas com a Previdência

22 março 2017 - 14h40
Ao todo, R$ 127 bilhões foram sonegados no Brasil em 2017

O Sonegômetro, painel que denuncia os valores astronômicos da sonegação fiscal no Brasil, revela que mais de R$ 127 bilhões não entraram nos cofres públicos pelo não pagamento de impostos  – no total, a dívida com a União supera R$ 1,8 trilhão. A conta inclui o débito de grandes empresas com a Previdência Social: elas devem mais de R$ 426 milhões ao INSS.

O painel estará exposto em Brasília, no Setor Comercial Sul, nesta quinta-feira (23). A iniciativa é do Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional (Sinprofaz).

O SINPROFAZ estima que, dos R$ 127 bilhões registrados pelo SONEGÔMETRO, R$ 100 bilhões, isto é, 80% do total, foram escoados em operações de lavagem de dinheiro. Para chamar a atenção da sociedade e parlamentares para esses valores bilionários, ao lado do SONEGÔMETRO, estará posicionada a Lavanderia Brasil, máquina de lavar gigante que simboliza os valores sonegados com a lavagem de dinheiro no país.

Ao calcular o rombo na Previdência, no entanto, o Governo Federal desconsidera esses milhões. Ciente disso, o Sonegômetro pode demonstrar que o investimento no combate à sonegação e na cobrança dos débitos tributários poderia garantir uma seguridade social digna para os brasileiros.

“A cobrança das empresas em inadimplência com a União é de suma importância, uma vez que esses créditos integram o orçamento do Estado. É justamente o dinheiro sonegado, não declarado, que compõe o caixa dois, o qual financia ilegalmente as campanhas eleitorais”, alerta Achilles Frias, presidente do sindicato.