Assine Já
terça, 01 de dezembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 12398 Óbitos: 542
Confirmados Óbitos
Araruama 2426 118
Armação dos Búzios 1201 16
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3809 182
Iguaba Grande 1129 40
São Pedro da Aldeia 1874 76
Saquarema 1532 94
Últimas notícias sobre a COVID-19
ELEIÇÕES 2020

Alexandre Martins: "Quero ser prefeito para resgatar a autoestima do povo buziano"

A Folha bateu um papo com o candidato dos Republicanos à Prefeitura de Búzios

22 outubro 2020 - 16h00Por Rodrigo Cabral e Rodrigo Branco

O sexto entrevistado da série da Folha dos Lagos com os candidatos a prefeito de Búzios é o empresário Alexandre de Oliveira Martins, de 49 anos. Alexandre concorre regularmente a cargos públicos desde 2004 e, foi eleito vice-prefeito em 2008. O vice na chapa 'Governo Participativo' é Miguel Pereira de Souza, de 63 anos, que atualmente é vereador.

Folha dos Lagos – Por que deseja ser prefeito? Qual legado quer deixar para a cidade?

Alexandre Martins – Quero ser prefeito de Armação dos Búzios por amor. Não sou um político carreirista, sou um cidadão do bem, que acredita que através do mandato de prefeito possa colaborar com a construção de uma cidade cada dia melhor. Não tenho a vaidade em ser prefeito, mas tenho o compromisso com essa cidade que recebe todo o mundo de braços abertos e que hoje, lamentavelmente, sofre as consequências dos desgovernos. Quero ser prefeito, vou ser prefeito para resgatar a autoestima do povo buziano, o espaço do povo trabalhador, o charme que a cidade perdeu. Não teremos tempo para errar; é preciso realizar. A cidade precisa voltar a ser a Búzios que encantou o mundo e que hoje infelizmente perdeu o seu espaço no ranking internacional de turismo. Eu quero, e com a ajuda de Deus e do povo, deixarei um legado de que é possível governar com honestidade, amor, planejamento, transparência, participação popular e responsabilidade.

Folha – Como retomar o desenvolvimento, gerando emprego e renda, após um cenário de pandemia? 

Alexandre – Acredito no potencial turístico de nossa cidade. Já fomos o quinto destino internacional de turistas, o mundo se encontrava em Búzios. É preciso investir no Turismo para que muitos empregos sejam gerados, para que a economia da cidade volte a crescer.  A nossa Indústria é o Turismo. Nós temos a maior rede hoteleira do Estado, a vida noturna com grandes boates e casas de shows; uma rede gastronômica de excelência, um povo acolhedor e as belezas naturais que atrai gente dos quatro cantos do planeta.  Investir no Turismo é necessário e não temos que improvisar, não podemos permitir que a Secretaria de Turismo seja um cabide de empregos ocupada por cargos políticos. Vamos investir e capacitar a mão de obra local. Já estou elaborando com técnicos um grande Calendário de Eventos de qualidade. A partir do nosso governo, não existirá mais baixa temporada em nossa cidade. Búzios será exemplo para o mundo. Nós venceremos a crise. Juntos somos mais fortes.

Folha – Os municípios da região tiveram índice baixo no Ideb. Como mudar esse cenário e quais seus planos para a Educação?

Alexandre – Educação se faz com educador, com investimento no profissional da área, porque o fracasso da Educação de hoje refletirá em um futuro bem próximo. Escola não é depósito de alunos. Escola é ‘Fábrica do Saber’. A escola tem que ser um local prazeroso, assistido por psicopedagogos, psicólogos, nutricionistas, assistentes sociais, e outros profissionais que colaborem com o desenvolvimento do aluno. Investir no aluno é investir no futuro da cidade. É inadmissível, imperdoável, não construir uma escola em oito anos. Educação é prioridade, é um investimento necessário e eu acredito em uma escola com a participação da família, uma escola aberta ao diálogo, com laboratórios de ciências, informática, oficinas de xadrez, olimpíadas de matemática, festivais de música, teatro, Jogos estudantis, e muito respeito ao profissional da Educação. O aluno precisa se sentir acolhido para estar aberto ao saber e comprometido em cuidar do patrimônio escolar. As nossas escolas estão destruídas, sucateadas. O aluno não pode ser inimigo da escola, ele precisa ser amigo, parceiro e defensor. Eu acredito em uma Educação de qualidade. Nós temos excelentes profissionais que precisam ser ouvidos, valorizados e respeitados, esses profissionais farão toda a diferença.

Folha – Quais suas principais propostas para a Saúde?

Alexandre – Vimos que a receita deu errado, Saúde não se faz com arrogância. Um erro na Saúde pode gerar muito sofrimento às famílias, e o nosso povo não merece mais sofrer. Faremos uma saúde humanizada, com profissionais valorizados, com equipamentos modernos próprios. A Saúde tem um ralo gigante, onde se perdem milhões em aluguéis de ambulâncias e equipamentos dos ‘amigos’. Nós vamos dar um basta nesse ralo. Búzios vai ter uma saúde que será referência no estado. Vamos construir o Polo da Saúde, próximo ao hospital, com nova policlínica, maternidade com pediatria e centro de imagem, no bairro da Rasa o novo PU, com 20 leitos, raio X, laboratório, ambulância e dois plantonistas. Não podemos  brincar com a vida. A vida é o bem mais precioso que temos, e, no nosso governo, a Saúde vai curar, vai prevenir, não vai mais servir para beneficiar os segmentos políticos. A nossa Saúde será para todos, do pescador ao grande empresário, todos serão tratados iguais. Investiremos na Saúde de prevenção, firmaremos convênios com grandes redes de especialidades clínicas: cardiologia, nefrologia, neurologia, oncologia e outras especialidades que venham a ter demanda. Os nossos técnicos já estão elaborando um projeto interessantíssimo:  Saúde nas Escolas, que é um trabalho de diagnóstico, prevenção e tratamento, teremos uma geração saudável, fruto de um sério trabalho que será realizado através da Secretaria de Saúde do nosso governo.

Folha – Quais as principais políticas que serão adotadas para o Turismo?

Alexandre – Búzios vive do Turismo, é a nossa maior indústria. Precisamos preparar a cidade, deixar a cidade linda para o nosso povo que merece uma cidade de excelência e não uma cidade 'maquiada' para receber o turista e cheia de problemas sociais. Queremos a nossa cidade feliz. O nosso povo merece. Vamos participar do calendário mundial das grandes feiras de Turismo. No meu governo, o empresário do segmento turístico terá vez e voz, eles são os grandes interessados que a cidade esteja no caminho certo, e com a cidade no caminho certo, toda a população é beneficiada com o grande número de empregos que o Turismo gera, porque o turismo é a mola mestra da nossa economia. Não vamos improvisar, vamos trabalhar com técnicos, com profissionais da área. Vocês verão uma nova Búzios. A cidade vai respirar turismo, já posso adiantar, vamos ter movimento o ano inteiro, vocês terão orgulho em ter votado no nosso governo. Não se esqueçam a nossa maior indústria é o Turismo.

Folha –  O que o candidato pensa em relação a políticas afirmativas para mulheres, negros e LGBTs? 

Alexandre – O mundo se encontra em Búzios. Búzios é de todos e para todos. Não sou uma pessoa de medir as pessoas por sua cor, raça, sexualidade, religião, nacionalidade. Eu quero ao meu lado as pessoas do bem, e para o bem do povo serei prefeito. Quero colocar em prática todas as políticas públicas para o nosso povo. Uma cidade cosmopolita como Búzios não combina com muros isolando segmentos, eu prefiro pontes que levam ao diálogo, ao respeito e a garantia da liberdade. A minha fé, os meus princípios me ensinaram a amar o meu próximo como a mim mesmo, independente de suas escolhas. Na hora de pagar os impostos ninguém pergunta a raça, cor, religião, opção sexual, por que na hora de ter os direitos garantidos temos que fazer essa pergunta? Igualdade, respeito, amor e paz assim será o nosso governo.

Folha – Quais suas principais propostas para o Esporte?

Alexandre – Búzios é um celeiro de atletas. O nosso povo gosta de praticar esportes, mesmo com uma secretaria sem o devido respeito que merece, sucateada e transformada em trampolim político. Nós vamos dar a devida valorização ao Esporte, a Secretaria de Esporte terá um orçamento de verdade. Ampliaremos o Bolsa Atleta, vamos desburocratizar e abolir os padrinhos políticos na conquista do Bolsa Atleta, que é um direito e não um favor, vamos investir nas Escolinhas de Futebol, Artes Marciais, Esportes Náuticos e outras atividades esportivas, que mesmo com pequena representatividade no cenário buziano, terão o seu espaço garantido. O esporte é uma grande ferramenta de transformação do cidadão. Vamos ocupar os espaços ociosos de nossa cidade com atividades esportivas, não vamos perder os nossos jovens para as drogas. O mundo do crime não fará parte do vocabulário dos nossos jovens. O esporte vai ocupar o espaço e recuperar uma geração. Vocês verão em cada bairro da cidade uma atividade esportiva. Esporte é saúde. 
Esporte é vida, e Búzios combina com esporte. Chegou a vez do esporte, chegou a vez dos grandes eventos esportivos, da volta dos campeonatos, da alegria e da qualidade de vida que só o esporte consegue proporcionar.

Folha – Quais suas principais propostas para a Cultura?

Alexandre – Será uma grande marca da nossa administração a Cultura. Uma cidade com uma belíssima história precisa ter um espaço dedicado a sua memória. Criaremos vários mobiliários culturais. A sede própria da Secretaria de Cultura, a Casa da Cultura, o Corredor Cultural, o Museu da Identidade Buziana, o Jardim das Esculturas, e o tão sonhado Teatro Municipal. Teremos um olhar todo especial aos nossos povos tradicionais, os quilombolas e os pescadores ocuparão o lugar de honra que merecem. Através dos projetos de pesquisas, com profissionais técnicos realizaremos o resgate da memória da nossa cidade que infelizmente se perdeu ao longo dos anos. Vamos tombar os prédios históricos e trabalhar no resgate das características da nossa bela arquitetura que vem se perdendo ao longo dos anos. Teremos oficinas culturais, o Espaço Zanine será a Escola de Artes do Município, em parceria com os projetos culturais já existentes “Circolo Social” e “Escola de Música Villa Lobos”, vamos propor uma parceria e ampliação no número de alunos. Levaremos Cultura aos bairros, nos fins de semana as nossas Escolas estarão abertas para realização de projetos culturais, onde serão valorizados os nossos artistas locais. Trabalharemos no resgate das nossas festas culturais que tanto são lembradas por nosso povo. Com certeza, teremos um evento cultural por mês. Uma cidade com mais de 50 nacionalidades diferentes, terá a cultura buziana resgatada e as demais culturas que formam a nossa linda cidade respeitada. Búzios será a terra da diversidade cultural, do pescador para o mundo. Búzios vai respirar Cultura.

Folha – Quais os projetos do candidato para qualificar e ampliar a atuação da Guarda Municipal na Segurança Pública?

Alexandre – Valorização, qualificação e diálogo. A nossa Guarda Municipal merece todo o nosso respeito. Vamos oferecer cursos de qualificação, vamos construir a sede da Guarda Municipal com uma infraestrutura digna para esse grupo de guerreiros que estão nas ruas sempre para defender o cidadão, e que muitas vezes passam despercebidos. Os nossos guardas não são máquinas de emissão de multas, eles têm um potencial muito maior, pois são os grandes responsáveis no ordenamento e na segurança de nossa cidade, e quem me conhece sabe o respeito e compromisso que eu tenho com essa classe. Segurança será levada a sério, firmaremos convênios com o Estado e em todos os assuntos relacionados à Segurança Pública a nossa Guarda se fará presente.

Folha – Quais as prioridades em relação à infraestrutura da cidade?

Alexandre – Vamos fazer um governo participativo, com o povo e para o povo. Búzios é uma jovem cidade, mas que carrega problemas gravíssimos. Sanear 100% a cidade não é um belo discurso de campanha, é uma questão de amor a nossa cidade, e nós vamos sanear a cidade 100%. Resolver os problemas dos pontos de alagamentos, embelezar a cidade com parques e jardins, organizar o trânsito da cidade, fazer as calçadas e construir fora da península a Rodoviária, a Subprefeitura. Para desafogar o trânsito da cidade, vamos levar alguns órgãos governamentais para fora da península, porque, com essa ação, ajudaremos no ordenamento do trânsito. Precisaremos sentar com os arquitetos, urbanistas, paisagistas, com quem entende para fazer com que a bela Búzios volte a sorrir. Não é possível que até hoje nenhuma lei foi criada para controlar o número de fiações nos nossos postes; a cidade está horrível com essa poluição visual e ninguém fala nada, ninguém faz nada. Parece que nos acostumamos com o feio. Nós vamos ter muito trabalho, não tenho dúvida disso, portanto, não teremos tempo para brigas políticas, perseguições e interesses próprios, é o futuro da nossa cidade que está em jogo, e Búzios vai ganhar, o povo vai ganhar. Búzios não pode ter obras improvisadas, vamos ter planejamento.

Folha – Quais as principais políticas que serão adotadas em relação ao Meio Ambiente? 

Alexandre – Eu defendo e acredito que Búzios só ganhou a fama mundial, porque somos uma cidade rica em belezas naturais. Será que vamos matar a galinha dos ovos de ouro? Meio ambiente é para ser prioridade. Temos que preservar o máximo possível. Não adianta demarcar as áreas de preservação ambiental e não criar uma estrutura de proteção das mesmas. Os nossos fiscais do meio ambiente são verdadeiros heróis, vamos aumentar o número de guardas e fiscais ambientais, vamos dar condições de trabalho. Vamos aplicar a lei. Nós temos que parar de discutir o futuro de algumas áreas que sofrem ameaças, nós temos que ter a ousadia em decretar que essas áreas são intocáveis, como o Mangue de Pedra, a Praia Azeda, as nossas Lagoas, as Emerências não podem correr risco, elas precisam ser preservadas, são bens do povo buziano. Precisamos investir em pesquisas, firmar parcerias com as universidades, entidades ambientais e órgãos governamentais. Faremos um governo ecologicamente correto, desde a coleta do lixo, como a coleta seletiva, até a preservação da nossa fauna e flora. Não dá mais tempo para amadorismo, não vamos deixar que os interesses imobiliários destruam o futuro dos nossos filhos e netos. Quem ama Búzios tem a obrigação de brigar por sua preservação.

Folha – De que maneira o município pode ser mais independente dos repasses dos royalties? Como enxerga um cenário caso o regime de partilha dos royalties seja alterado no STF?

Alexandre – O regime de partilha dos royalties é imoral, ilegal e inconstitucional. Somos nós moradores da área petrolífera que sofremos as conseqüências dos vazamentos nas plataformas, do impacto ambiental,  das proibições de pescas no entorno das plataformas. Os royalties do petróleo é um direito nosso, o petróleo é nosso, essa é a minha opinião, e me desculpe quem pensa diferente, mas também sou obrigado a reconhecer que os desgovernos pouco ou quase nada investiram com o dinheiro recebido do repasse. Brincaram de administrar e queimaram o dinheiro do povo. O município de Búzios tem uma economia forte, temos uma grande rede de hotéis, de pousadas, de gastronomias e outras atividades do segmento turístico. Precisamos desburocratizar a máquina pública para que todos os comércios possam sair da clandestinidade, que possam acreditar na administração e assim paguem os seus tributos. Muita gente não paga porque não consegue legalizar, outros porque não acreditam na seriedade do governante. Precisamos conquistar a confiança da população, atrair novos investimentos para a cidade e reformular o processo de legalização dos comércios.

(*) O entrevistado desta sexta-feira (23) será o candidato Tom Viana, do PSL.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.