Assine Já
terça, 01 de dezembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 12398 Óbitos: 542
Confirmados Óbitos
Araruama 2426 118
Armação dos Búzios 1201 16
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3809 182
Iguaba Grande 1129 40
São Pedro da Aldeia 1874 76
Saquarema 1532 94
Últimas notícias sobre a COVID-19
CONGELAMENTO

Alerj proíbe aumento de tarifas de serviços públicos concedidos durante a pandemia de Covid-19

O texto será enviado ao governador em exercício, Cláudio Castro, que terá até 15 dias úteis para sancioná-lo

20 outubro 2020 - 20h05Por Redação

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou em discussão única, nesta terça-feira (20), o projeto de lei 2.349/2020, dos deputados Luiz Paulo (sem partido) e Lucinha (PSDB). A medida proíbe o aumento de tarifa dos serviços públicos concedidos durante o estado de calamidade decretado por conta da pandemia de coronavírus, prorrogado até o fim do ano pela Lei 9.008/20. O texto será enviado ao governador em exercício, Cláudio Castro, que terá até 15 dias úteis para sancioná-lo.

A proibição valerá para todas as concessionárias e permissionárias fiscalizadas pelas Agências Reguladoras de Serviço Público do Estado do Rio de Janeiro. Em plenário, o deputado Luiz Paulo (sem partido), que é presidente da Comissão de Tributação, afirmou que a medida foi motivada pelo reajuste do preço da molécula do gás estipulado em contrato pela Petrobras e a Naturgy, concessionária responsável no Rio. O reajuste levou em conta a variação desde janeiro do valor do barril do petróleo, da cotação do dólar e do custo do transporte.

“A partir de 1º de novembro de 2020, a tarifa de gás de uma maneira geral será ajustada em média 30%. Essa metodologia de reajuste é um assalto ao bolso do consumidor, que só não percebeu porque o aumento ainda não aconteceu. Queremos que isso pelo menos não aconteça durante a pandemia, em plena recessão”, defendeu. Ele lembrou que os aumentos das tarifas podem aumentar ainda mais a inadimplência de pagamento dos servidores. “Isso é um tiro no pé!”, disse Luiz Paulo.

Os reajustes somente serão permitidos a partir de 1º de janeiro de 2021 ou até uma nova data estabelecida em lei para o fim do estado de calamidade em decorrência da pandemia de Covid-19. Nesse caso, o reajuste acontecerá após decisão das agências mediante apresentação de planilhas de custos elaboradas de forma detalhada.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.