Assine Já
terça, 27 de julho de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
15ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 46056 Óbitos: 1864
Confirmados Óbitos
Araruama 11325 353
Armação dos Búzios 5456 57
Arraial do Cabo 1564 87
Cabo Frio 12562 754
Iguaba Grande 4756 114
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4249 226
Últimas notícias sobre a COVID-19
DERROTA POLÍTICA

Alerj abre processo de impeachment contra Witzel

Por unanimidade, deputados decidem iniciar rito que pode levar ao afastamento do governador

10 junho 2020 - 17h18Por Redação

O presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), André Ceciliano (PT) deu início ao processo de impeachment do governador Wilson Witzel (PSC). Como chefe do Legislativo estadual, Ceciliano tinha a prerrogativa de acolher um dos 14 pedidos de afastamento de Wizel, mas optou por colocar o assunto em votação, na qual 69 deputados estaduais decidiram pela abertura do processo. Não houve qualquer voto para barra o processo. O governador não será afastado do cargo, por enquanto.

O próximo passo é a publicação da decisão da Alerj em Diário Oficial em até 48 horas. Em seguida, os partidos escolherão representantes para comissão especial que analisa se a denúncia deve ser aceita. Depois, os acusados têm um prazo de até dez dias para se defender. Uma vez isso feito, a Comissão Especial terá que  relator e presidente dentro de 48 horas.

Depois, a Comissão Especial emite parecer sobre admissibilidade da denúncia em até cinco sessões a partir do recebimento da defesa (se a defesa não se manifestar, o parecer deve ser emitido no prazo de dez sessões). Em seguida, o aarecer da Comissão Especial será lido no plenário e incluído na votação da ordem do dia.

O passo seguinte é a discussão dos deputados, que questionarão o relator. Encerrada a discussão, é aberta votação nominal. Os parlamentares então votam para decidir se receberão a denúncia. Caso isso ocorra, os acusados são afastados e o Tribunal de Justiça constitui um tribunal misto, formado por juízes e deputados, para decidir a questão.

O governador passa por um momento de grande desgaste no cargo, após as denúncias de corrupção na construção e montagem dos hospitais de campanha para tratamento de doentes na pandemia de Covid-19. As denúncias resultaram, inclusive, na Operação Placebo, da Polícia Federal. O então secretário Edmar Santos foi afastado do cargo.  

O governador emitiu uma nota, dizendo aceitar com tranquilidade o resultado.

"Estou absolutamente tranquilo sobre a minha inocência. Fui eleito tendo como pilar o combate à corrupção e não abandonei em nenhum momento essa bandeira. E é isso que, humildemente, irei demonstrar para as senhoras deputadas e senhores deputados", declarou.

(*) Matéria atualizada às 19h27. 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.