Assine Já
terça, 14 de julho de 2020
Região dos Lagos
23ºmax
15ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 310 Confirmados: 3455 Óbitos: 200
Suspeitos: 310 Confirmados: 3455 Óbitos: 200
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 279 8
Arraial do Cabo 9 88 11
Cabo Frio X 1037 64
Iguaba Grande 14 257 20
São Pedro da Aldeia 4 537 20
Saquarema 9 599 35
Últimas notícias sobre a COVID-19
alair correa

Alair lança desafio ao Sepe

Prefeito diz que pagará os servidores da Educação com dinheiro do Fundeb 

09 janeiro 2016 - 09h53

GABRIEL TINOCO

O prefeito Alair Corrêa (PP) lançou, na manhã de ontem, um desafio ao Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe Lagos), que afirma que a verba do Fundeb recebida pela Prefeitura dá e sobra para pagar a folha salarial dos servidores do Ensino Fundamental. Alair, por outro lado, defende que falta dinheiro, que tem que vir dos cofres do governo. O prefeito afirmou que, se o sindicato estiver certo, e sobrar dinheiro, esta ‘sobra’ pode ser acrescentada aos salários dos servidores. Mas, se faltar, eles têm que aceitar reduzir os vencimentos mensais.

O desafio foi feito em postagem no Facebook, respondido e ‘aceito’ por alguns membros do Sepe – apesar de a entidade não ter se posicionado oficialmente nas redes sociais sobre o assunto. Mais tarde, no início da noite, em assembleia, o assunto foi debatido. A decisão do sindicato foi de sugerir ao prefeito a criação de um Comitê de Acompanhamento da Verba do Fundeb. Um ofício com a sugestão vai ser enviado ao gabinete do prefeito nos próximos dias. À Folha, Denize Alvarenga, que faz parte do sindicato, se mostrou bastante tranquila no que diz respeito ao desafio. Ela lembrou que as contas foram reprovadas duas vezes.

– O prefeito diz que não há dinheiro, mas conheço a folha. Sei que há excessos. Se tirar os fantasmas e as portarias, é possível administrar, sim. Mas ele não baterá de frente com quem ele fez promessas. Encontramos perto de R$ 700 mil mensais que davam para ser reduzidos quando reprovamos a conta de 2013, em 2014. Em 2015, reprovamos por unanimidade a de 2014 por falta de acesso. Até os conselheiros do governo votaram pela reprovação – dispara.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa da Folha dos Lagos deste fim de semana.