Assine Já
quarta, 30 de setembro de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8402 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1657 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2765 149
Iguaba Grande 695 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
alair correa

Alair lança desafio ao Sepe

Prefeito diz que pagará os servidores da Educação com dinheiro do Fundeb 

09 janeiro 2016 - 09h53

GABRIEL TINOCO

O prefeito Alair Corrêa (PP) lançou, na manhã de ontem, um desafio ao Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe Lagos), que afirma que a verba do Fundeb recebida pela Prefeitura dá e sobra para pagar a folha salarial dos servidores do Ensino Fundamental. Alair, por outro lado, defende que falta dinheiro, que tem que vir dos cofres do governo. O prefeito afirmou que, se o sindicato estiver certo, e sobrar dinheiro, esta ‘sobra’ pode ser acrescentada aos salários dos servidores. Mas, se faltar, eles têm que aceitar reduzir os vencimentos mensais.

O desafio foi feito em postagem no Facebook, respondido e ‘aceito’ por alguns membros do Sepe – apesar de a entidade não ter se posicionado oficialmente nas redes sociais sobre o assunto. Mais tarde, no início da noite, em assembleia, o assunto foi debatido. A decisão do sindicato foi de sugerir ao prefeito a criação de um Comitê de Acompanhamento da Verba do Fundeb. Um ofício com a sugestão vai ser enviado ao gabinete do prefeito nos próximos dias. À Folha, Denize Alvarenga, que faz parte do sindicato, se mostrou bastante tranquila no que diz respeito ao desafio. Ela lembrou que as contas foram reprovadas duas vezes.

– O prefeito diz que não há dinheiro, mas conheço a folha. Sei que há excessos. Se tirar os fantasmas e as portarias, é possível administrar, sim. Mas ele não baterá de frente com quem ele fez promessas. Encontramos perto de R$ 700 mil mensais que davam para ser reduzidos quando reprovamos a conta de 2013, em 2014. Em 2015, reprovamos por unanimidade a de 2014 por falta de acesso. Até os conselheiros do governo votaram pela reprovação – dispara.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa da Folha dos Lagos deste fim de semana.