Assine Já
terça, 14 de julho de 2020
Região dos Lagos
23ºmax
15ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 310 Confirmados: 3455 Óbitos: 200
Suspeitos: 310 Confirmados: 3455 Óbitos: 200
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 279 8
Arraial do Cabo 9 88 11
Cabo Frio X 1037 64
Iguaba Grande 14 257 20
São Pedro da Aldeia 4 537 20
Saquarema 9 599 35
Últimas notícias sobre a COVID-19
alair corrêa

Alair anuncia novos secretários nesta quarta-feira (13)

Folha de pagamento terá corte de cerca de R$ 500 mil, afirma prefeito

12 janeiro 2016 - 09h34
Alair anuncia novos secretários nesta quarta-feira (13)

O prefeito de Cabo Frio, Alair Corrêa (PP) afirmou ontem, durante entrevista ao Programa Sidney Marinho, que divulgará nova equipe de trabalho amanhã e que tem estimativa de enxugar a folha de pagamento em cerca de R$ 500 mil a R$ 700 mil.

O anúncio foi feito depois de o mandatário utilizar, mais uma vez, a rede social para uma ação administrativa: a exoneração de todo o secretariado e funcionários do chamado terceiro escalão. A postagem aconteceu no último sábado, dia nove, cinco dias depois de vir a público o ofício circular 001/2016, o primeiro do ano, em que o prefeito pedia a renúncia coletiva dos trabalhadores, “o que evitaria constrangimentos”.

Ontem, a Folha tentou, por diversas vezes, contato como ex-secretário Edinho Ferrô, para obter mais detalhes, mas não obteve retorno até o fechamento desta edição. O prefeito colocou na conta da crise a justificativa para o enxugamento da folha. Durante a semana passada, secretários contatados pela nossa equipe afirmaram não haviam sido comunicados oficialmente pelo governo e que ficaram sabendo do pedido de renúncia coletiva primeiro por meio de boatos e redes sociais.

Aliás, em três anos, este é o terceiro corte administrativo que Alair faz. A primeira redução aconteceu ao mesmo tempo em que foi feito anúncio de que um trio de gestores administraria a Saúde. Depois, em abril de 2014, o prefeito anunciou uma grande reforma administrativa, que reduziria, inclusive, o número de pastas: de 28 para 18, mas na ocasião o site da prefeitura apresentava 32 unidades, sem contar procuradorias, superintendências, e controladoria que elevava a quantidade a 38 secretarias.

Dois meses depois, no entanto, a primeiro escalão continuava o mesmo, com apenas algumas trocas pontuais – três mudanças de secretários e todos já atuavam no governo. Quando anunciou as mudanças, o prefeito também afirmou que o objetivo era reduzir a folha de pagamento em 54%. Em outubro de 2014, novo anúncio de cortes de pessoal e em maio do ano passado divulgou que assumiria a Secretaria de Saúde junto com uma comissão de correição que passaria a pasta em malha fina para averiguar denúncias diversas.

Apesar dos inúmeros problemas na Saúde – denunciados constantemente nos veículos de comunicação e pelos usuários do serviço –, o prefeito deixou a gestão da Saúde 110 dias depois de assumir sob alegação de que o setor estava “revigorado” e que deixava a pasta como “a melhor saúde de toda região”. Os relatórios da comissão foram entregues ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas do Estado do Rio.