Assine Já
terça, 29 de setembro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8330 Óbitos: 430
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 491 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2757 145
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1341 54
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
entrevista

Alair afirma que prefeitura mal tem dinheiro para cumprir folha de pagamento

Em entrevista à rádio local, prefeito de Cabo Frio disparou contra sindicatos, oposição, imprensa e até contra a própria população

06 julho 2016 - 12h12Por Rodrigo Branco

Em entrevista à rádio, após longo tempo sem falar com a imprensa, o prefeito Alair Corrêa afirma que sem cortes de servidores não teria como pagar folha e culpa sindicatos adversários, imprensa e o Plano de Cargos e Salários pela situação da cidade.

Depois de longo tempo se comunicando apenas pelas redes sociais e pelo seu blog pessoal, o prefeito Alair Corrêa (PP) concedeu uma entrevista ontem ao comunicador Amaury Valério, durante seu programa matinal na Rádio Ondas. O Prefeito falou pelo telefone do seu gabinete, possivelmente para evitar o encontro com grupos de servidores que se organizaram com antecedência tão logo souberam da sua possível presença no prédio da emissora. Pressionado pela situação econômica da cidade e pelas cobranças, Alair partiu para o ataque e, fiel ao seu estilo, não poupou ninguém de críticas.

Os maiores petardos ele desferiu contra o Sindicato dos Profissionais da Educação e seus tradicionais adversários, os deputados Marquinho Mendes (PMDB) e Janio Mendes (PDT) e, mais recentemente, o vereador Aquiles Barreto (SD). Dizendo não ter dinheiro para cumprir com a folha, ele também defendeu as demissões feitas na administração municipal, mas disse se tratam apenas de “suspensões por 60 dias”.

Economia nas palavras apenas para falar dos polêmicos repasses de recursos para a terminal Comsercaf e da relação da prefeitura com a empresa Córrego Rico, a quem alega não pagar há seis meses. No bate-papo, apesar de se mostrar otimista para as eleições, pela primeira vez, Alair admite que pode não concorrer à reeleição.

– Tenho os pés no chão, não sou criança, sei que o momento não é propício pra mim – disse.

Confira a seguir alguns dos principais momentos da entrevista:

Comparações com municípios vizinhos

Arraial do Cabo tem um hospital que trabalha pela metade e nenhuma escola de Ensino Médio. São Pedro tem um mini hospital. Iguaba não tem hospital. Araruama tem hospital regional, do estado. Saquarema tem um hospital regional, do estado. Cabo Frio tem sete hospitais. É por isso que estamos nessa crise e as pessoas falam que o salário não está atrasado em São Pedro, Arraial do Cabo e Iguaba. Claro, eles não perderam o que eu perdi e não tem o que eu tenho aqui.

Atrasos no pagamento

Não tem dinheiro. Sou um homem com 70 e poucos anos, 50 anos de vida pública, oito mandatos, quatro de prefeito, dois de vereador, dois de deputado, com a vida tranquila do ponto de vista político, consagrado nas urnas e na política. Você acha que se eu tivesse dinheiro eu ia deixar essa gente invadir a prefeitura? Não existe dinheiro para pagar a ninguém. A arrecadação não dá para pagar a folha. Eram R$ 300 milhões de royalties, agora são só R$ 60 milhões. São R$ 240 milhões que nós perdemos, R$ 20 milhões por mês. Então não tem como. Só se eu fosse muito imbecil, idiota e desumano.

Demissões

Eu não demiti ninguém. Estou suspendendo por 60 dias os contratos e as portarias que eu dei aos cargos de confiança. Então eu estou tirando 12% de quem tem contrato e suspendendo 50% de quem tem portaria. Simples. Essas pessoas não foram demitidas e podem voltar, de repente, se a arrecadação melhorar, por um motivo qualquer. Não estou demitindo ninguém, apenas suspendendo essa pessoas para ver se consigo pagar o salário dos que vão ficar em dia, que eu hoje estou pagando com o atraso.

Cartão Dignidade e Lanche do Operário

Tudo o que eu estou fazendo agora é temporário. No momento, eu não tenho como pagar. Fico muito triste por isso porque se eu tivesse como pagar, estava pagando. Você acha que eu não estou dando o lanche do operário é porque eu não quero? Politicamente pra mim seria fantástico. Renunciar à concessão do lanche, olha que prejuízo eleitoral, social e político. A mesma coisa é a passagem do ônibus (...) Se eu não pago a ela, não tenho condição de pedir a empresa pra manter de graça 800 mil passagens por mês. Nós fomos obrigados a aceitar quando a Salineira avisou que ia cortar.

Limpeza das ruas

Os caminhoneiros não estão recolhendo o material. Se você passar no (Jardim) Caiçara, no Guarani, a calçada está com entulho. A população também não contribui. Ela corta o galho dela e quer a varrição da rua. No Caiçara, no Guarani e em outros bairros, a população não contribui, jogam pra fora. Então por que os caminhoneiros e as máquinas têm recolher pra mim e pra prefeitura sem receber? Não tem que coletar. Enquanto eu não conseguir pagar a eles, eles não vão coletar. Eu tenho que entender isso. Mas parece que alguns com a intenção de atrapalhar, jogam pra rua. Tem uma porção de empresa de caçamba por aí. Aluga uma caçamba. Tira da frente da sua casa. Será que é política deixar a frente da casa cheio de entulho, cheio de mato?

Pressão

Esse momento é o pior de toda aminha vida pública. Mas eu acredito que Deus vai ajudar a reverter esse quadro. E eu vou reverter. Mas é claro que eu só posso reverter esse quadro se eu enxugar, se eu arrumar dinheiro. É o único caminho que eu tenho hoje.

Relação com Sepe

É muita incoerência desse pessoal. Eles pedem pra cortar a folha porque a folha está alta, pra cortar comissionado... E quando eu quero cortar, aí eles vão pra Justiça pra impedir que eu faça isso? É uma cambada que está querendo que o caos permaneça pra ganhar a eleição daqui a três meses.

Ministério Público

Estão fazendo uma onda, quando eu quero diminuir a folha, pra promotora que é uma senhora que está aqui há três ou quatro meses e não conhece a cidade. E ela representa realmente a sociedade. Ela representa a coletividade, mas não conhece os meandros. E essas pessoas chegam na promotora que não conhecem os meandros e fazem a cabeça da promotora.

Adversários políticos

Com o voto de Janio Mendes, o estado conseguiu um empréstimo de R$ 6,5 bilhões, mas aqui em Cabo Frio ele quer impedir. Por que ele faz isso? Por que ele tem medo de dificultar o que ele sonha que é ser prefeito de Cabo Frio. Não vai ser nunca. O homem nunca consegue chegar a prefeito dessa cidade por meios ilícitos e desonestos de trabalhar contra uma cidade. Marquinho Mendes levou essa cidade ao caos. Estou assim hoje não é só por causa do petróleo, não. É por causa do petróleo agora, mas o culpado maior é esse Plano de Cargos e Salários.

Empréstimo

Perdemos R$ 600 milhões de royalties e a ANP disse que nós temos direito a tomar R$ 300 milhões. Como eu vi que R$ 300 milhões, há um ano atrás, era suficiente, mas depois não havia mais tempo para conseguir, eu resolvi agora pegar R$ 200 milhões que é suficiente para organizar a cidade, botar a folha em dia e entregar para o futuro prefeito uma cidade organizada. Perdemos R$ 600 milhões e gastamos R$ 500 milhões a mais. Então em quatro anos, tivemos R$ 1,1 bilhão, R$ 500 milhões por culpa de Marquinho e R$ 600 milhões pelos que avançaram na Petrobras.

‘Cultura do ganho fácil’

Quando eu entrei, falei que o maior problema seria administrar a ‘cultura do ganho fácil’. Isso é um inferno nesse

município, porque todo mundo que entrou achou que ia ganhar fácil. Não iam, em primeiro lugar porque eu não dou mole pra ninguém e também porque a nossa arrecadação virou pó. Isso criou uma insatisfação em quem comia da prefeitura. Porque era tanto dinheiro, tanto dinheiro, que ele (Marquinho Mendes) se dava ao luxo de fazer o que que queria. 

Eleições

Sempre fui um homem de estatística. Se eu saio de uma situação com uma receita enorme para outra que eu não consigo nem pagar a folha, eu não posso estar bem. Tenho consciência disso. Meus passos serão ditados pelos meus companheiros e pelos números. Eu, os três vereadores do meu grupo político e o governador Dornelles, com quem vamos conversar, vamos sentar pra definir essa situação. Tenho os pés no chão, não sou criança, sei que o momento não é propício pra mim. Pensei que pudesse reverter o quadro há três meses atrás, mas não reverti. Agora está ficando muito em cima da hora. O que eu posso dizer é que ganho a eleição comigo ou com quem meu grupo escolher.

Córrego Rico

É uma empresa que aluga caminhões e máquinas para a prefeitura, mas como não estou pagando, estão há seis meses parados.

Comsercaf

A Comsercaf não acabou, vai acabar no dia em que assinarmos o contrato com a vencedora da licitação para o serviço de limpeza pública. Mas também não podemos fechar a Comsercaf por que ainda devemos a muita gente por ela.