Assine Já
quinta, 26 de novembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11817 Óbitos: 538
Confirmados Óbitos
Araruama 2355 117
Armação dos Búzios 1070 16
Arraial do Cabo 388 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1107 40
São Pedro da Aldeia 1801 76
Saquarema 1471 92
Últimas notícias sobre a COVID-19
sessão

Sessão para afastar Granado acaba em baixaria e é adiada

Confusão generalizada começou com bate-boca e um copo foi arremessado contra o advogado do prefeito

22 agosto 2017 - 10h16
Sessão para afastar Granado acaba em baixaria e é adiada

A sessão do julgamento do prefeito de Búzios, André Granado (PMDB) – acusado de fraudes em licitações e da não publicação dos procedimentos no Diário Oficial do Município em 2013 –, foi adiada após uma calorosa discussão tomar conta do plenário. O bate-boca começou entre o presidente da Casa, João Carlos Alves (DEM), o Cacalho, e Joice Costa (PP). Mas o que se viu depois foi uma confusão generalizada. Para se ter ideia de como os ânimos ficaram bem inflamados, a vereadora Gladys Costa (PRB) arremessou um copo com açúcar no advogado do prefeito. Todos os nove vereadores presenciaram a briga.
Tudo começou quando a vereadora Joice elogiou André Granado pelos pagamentos em dia, ao passo que Cacalho respondeu que não atrasar os salários era obrigação e a discussão tomou conta do plenário. As atividades foram suspensas  por questões de segurança, porque a confusão tomou proporções inesperadas. 
– Tem um livro na Câmara para o uso da tribuna. Os vereadores inscritos nele fazem o uso da palavra. Eu me inscrevi e fiz o uso da palavra. Depois, o presidente fez a réplica da minha fala. Então, disse: para o senhor discutir minha fala, tem que se inscrever no uso da tribuna. Ele cortou meu microfone e a plenária se manifestou. Passou um tempo, ele (Cacalho) fez a chamada e encerrou a sessão por questões de segurança. Sendo que tinham muitos PMs à paisana e muitos de serviço – questiona a vereadora Joice. 
Segundo o presidente da Casa, a vereadora ultrapassou o tempo regimentar.
– Primeiro, o tempo regimentar é de 15 minutos e ela (Joice) falou 17. Ela falou 17 minutos sem que a cortasse. Só fiz um comentário – defende-se. 
No momento em que começou a confusão, o advogado do prefeito, Sérgio Azevedo, teve o pedido de uso da palavra negado. 
– Pedi a palavra de ordem ao presidente. Ele quis me expulsar do plenário. Uma coisa completamente equivocada. Não é uma sessão legislativa. É uma sessão de julgamento. O advogado pode fazer uso da palavra sempre que for necessário para esclarecimento da defesa. O presidente mandou desligar o microfone. Isso jamais vou admitir porque defendo as prerrogativas da advocacia – sustenta.
Já Cacalho garantiu que há um “rito” a ser respeitado. 
– O advogado saiu correndo para onde os vereadores estavam. Ele tem direito a falar por duas horas. Mas antes há um rito. Ele pulou a cerca do plenário gritando. Não estava no tempo dele – argumenta o presidente.  

* Matéria completa na edição desta terça (22) da Folha dos Lagos.