terça, 18 de junho de 2024
terça, 18 de junho de 2024
Cabo Frio
21°C
Park lagos
Park Lagos 2
Polícia

Roubos disparam na região, aponta o ISP

Número de assaltos nos municípios da área do 25º BPM cresceu 67% desde 2015 

24 julho 2019 - 09h22
Roubos disparam na região, aponta o ISP

RODRIGO BRANCO

A Região dos Lagos fechou o primeiro semestre com 1.515 roubos, contando todas as modalidades do crime, de acordo com o Instituto de Segurança Pública (ISP), que acaba de fechar o relatório com os dados referentes a junho. O número é o maior em cinco anos e representa um aumento de 67% no período. Apenas no sexto mês do ano, foram registrados 262 assaltos nas delegacias dos sete municípios que compõem a 25ª Aisp (Área Integrada de Segurança Pública). O índice é um dos desafios a serem combatidos pelo novo comandante do 25º Batalhão da Polícia Militar (25º BPM), coronel Rodrigo Ibiapina, que assume o cargo hoje à tarde. 

Nos seis primeiros meses deste ano, houve aumento no número de casos de praticamente todos os principais tipos de roubo, mas os crimes praticados contra pedestres e as ocorrências envolvendo celulares foram os destaques negativos, conforme aponta o levantamento mensal feito pelo ISP. No primeiro caso, foram 723 registros de roubo a pedestres entre janeiro e junho deste ano contra 600 no mesmo período de 2018, o que significa um aumento de 20,5% de um ano para o outro. Em 2015, esse número era de 387. 

Já com relação aos roubos de celulares, o estudo aponta que, no primeiro semestre de 2019, 257 aparelhos foram levados por ladrões contra 158, entre janeiro e junho de 2018. Um acréscimo de 62,6% em doze meses. Também houve registros de roubos de veículos (192); a estabelecimentos comerciais (71); em residências (40); em ônibus (28) e de carga (23). Apenas em junho, foram totalizados 117 roubos a pedestres e 57 de celulares, além de 28 de veículos; 15 a estabelecimentos comerciais; oito em ônibus e residências e dois de carga.

Cidade mais populosa da região, Cabo Frio foi a responsável pelo maior volume de ocorrências de roubo. Na delegacia do município, a 126ª DP, vítimas fizeram 577 registros no primeiro semestre, contra 441 no mesmo período em 2018 (30,8% de aumento). Os casos de roubos a pedestres e de celulares na cidade passaram de 216 para 317 (aumento de 46,7%) e de 63 para 81 (aumento de 21,6%), respectivamente. 

Letalidade cai – Se os crimes contra o patrimônio tiveram grande escalada na primeira metade do ano, os números do ISP apontam para a redução na letalidade violenta na região.

De acordo com o estudo, foram 143 registros, somados os homicídios dolosos (120); mortes por intervenção policial (22) e latrocínio, que é o roubo seguido de morte (1). Outro dado que compõe a estatística da letalidade, a lesão corporal seguida de morte não teve nenhuma ocorrência computada.
No total, houve uma redução de 24% na letalidade violenta com relação ao primeiro semestre de 2018, que registrou 184 ocorrências, sendo 158 homicídios dolosos; 23 mortes por intervenção policial; três latrocínios. Na primeia metade do ano passado, também não houve registro de lesão corporal seguida de morte. 

A tendência de redução nos números de letalidade violenta já tinha sido observada e publicada pela Folha na edição do último dia 20 de junho. O número de homicídios nos sete municípios juntos, por exemplo, é o menor desde 2013, quando foram registradas 109 mortes violentas.

Especificamente em Cabo Frio, que vive um período de acirramento na disputa entre facções criminosas, o índice de letalidade violenta entre janeiro e junho foi de 59 contra 70 no primeiro semestre de 2018.  Este ano, já foram registrados 51 homicídios dolosos e oito por intervenção policial. Em 2018, foram 59 homicídios dolosos e 11 por intervenção policial.

No Estado – Os crimes contra a vida apresentaram queda no estado em junho e no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. 

Entre janeiro e junho de 2019, o homicídio doloso registrou queda de 23% quando comparado com o mesmo período do ano passado – foram 608 homicídios a menos nos primeiros seis meses deste ano. O mesmo aconteceu com o indicador estratégico letalidade violenta: redução de 15% no primeiro semestre deste ano. 

Na contramão do que acontece aqui, os roubos a pedestre, em coletivo e de celular reduziram 2% no acumulado do ano quando comparado com o mesmo período do ano passado.