Assine Já
terça, 29 de setembro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8382 Óbitos: 435
Confirmados Óbitos
Araruama 1653 103
Armação dos Búzios 495 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2765 149
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
Anansa

Protesto pela liberdade de Anansa e Priscila fecha o trânsito em frente a Deam de Cabo Frio

Com faixas e cartazes, amigos e parentes clamam pela soltura das mulheres, presas em Bangu, no Rio 

27 junho 2015 - 17h36
Protesto pela liberdade de Anansa e Priscila fecha o trânsito em frente a Deam de Cabo Frio

 

Com gritos de “justiça” e “liberdade” cerca de 150 pessoas entre familiares e amigos de Anansa Gonçalves, 35, e Priscila Monteiro, 32, fecharam o trânsito na Avenida Teixeira e Sousa, na altura da Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam), na tarde deste sábado (27). O grupo protestou contra a prisão das duas mulheres, há cerca de 10 dias e que estão no presídio de Bangu, no Rio, acusadas de tentativa de homicídio contra Raquel Marinho, 35.  

De acordo com o pastor Herlon Romão, líder há 17 anos da Igreja Metodista do Jardim Esperança, a comunidade evangélica tem esperança de que o pedido de habeas corpus seja avaliado em breve pela justiça carioca. Membros da igreja Assembleia de Deus, Casa de Benção, Mundial do Poder de Deus e de várias metodistas de Cabo Frio também participaram da carreaa que saiu do Jardim Esperança até a Dem.

– Queremos justiça. Elas são pessoas de bem e não deviam estar presas. Ninguém consegue crer que isto está acontecendo – opinou.

Além do pastor Herlon, uma comitiva formada pela advogada de ambas, Dra. Camila Mendes; pelo namorado de Anansa, Rafaela Almeida; e pelo marido de Priscila, Robson Gonçalves, segue na segunda-feira (29) pela manhã, para o Rio de Janeiro para tentar agilizar a liberação do habeas corpus e visitar as presas.

– É uma loucura tudo isso que ta acontecendo. Viemos a delegacia de boa vontade quando o inspetor ligou da segunda vez dizendo que queria fazer algumas perguntas e chegando aqui deram voz de prisão as duas. O que queremos é que elas seja libertadas – contou Rafael.