Assine Já
quarta, 26 de fevereiro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
22ºmin
Apartamento
SEPULTADO EM ARARUAMA

Polícia procura assassino de PM morto em Figueira

Inquérito para investigar autoria do crime contra o sargento Ricardo Oliveira já foi aberto

13 fevereiro 2020 - 19h59Por Rodrigo Branco

A polícias Civil e Militar buscam informações que levem a descobrir a autoria do disparo que matou o sargento da PM Ricardo Oliveira dos Santos, de 40 anos, durante uma operação contra o tráfico de drogas no centro de Figueira, distrito que fica a 25 Km do perímetro urbano de Arraial do Cabo, no fim da noite desta quarta-feira (12). 

O delegado responsavel pelo caso, titular da 132ª DP (Arraial do Cabo), Renato Mariano dos Santos, não quis adiantar as informações já apuradas para não atrapalhar as investigações, mas a assessoria de comunicação da Polícia Civil informou que já foi instaurado um inquérito e diligências estão sendo feitas para esclarecer o crime. 

Por sua vez, a Polícia Militar informou que nesta quinta-feira (13 )não houve operação no local, embora viaturas tenham sido vistas circulando em maior quantidade nas proximidades de onde ocorreu o crime, inclusive na estrada Pedro Francisco Sanches, a rodovia RJ-102.

A operação que vitimou o sargento da PM tinha como um dos objetivos prender Hemerson Silveira de Souza, conhecido como ‘Menor’, apontado como líder do comércio ilegal de drogas em Figueira, Sabiá, Caiçara e Parque das Garças.

Segundo o Portal dos Procurados, uma investigação recente da Polícia Civil aponta que o traficante teria se mudado para Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, após passar a ser procurado por dois homicídios relacionados a disputas do tráfico. Contra ele, há oito mandados de prisão em aberto por diversos crimes.


'Menor' é apontado pela polícia como chefe do tráfico em Figueira

 

O corpo de Ricardo Oliveira foi sepultado ontem no cemitério de Araruama. O 25º BPM emitiu nota de pesar pela morte do sargento. Nas redes sociais, comoção.

– Estou muito triste. Era um cara de origem muito humilde, que amava o que fazia – declarou o pastor Fabrício Valladares, amigo de infância de Ricardo Oliveira.

O policial militar estava na corporação desde 2002. Ele deixou um filho. 

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 29 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições na porta de casa, de terça a sábado. Ligue já: (22) 2644-4698.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.