Assine Já
sábado, 18 de setembro de 2021
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 50688 Óbitos: 2057
Confirmados Óbitos
Araruama 12158 430
Armação dos Búzios 6182 64
Arraial do Cabo 1680 90
Cabo Frio 14015 822
Iguaba Grande 5355 134
São Pedro da Aldeia 6830 284
Saquarema 4468 233
Últimas notícias sobre a COVID-19
esfaqueamento

Polícia pede prisão de suspeito de esfaquear argentina em Arraial

Marianela Pereyra vai receber alta do hospital nesta terça-feira (12)

12 julho 2016 - 11h07Por Rodrigo Branco

O caso da mulher esfaqueada em Arraial do Cabo no último dia 30 está próximo de uma conclusão, tanto na área médica como na criminal. De acordo com a secretaria municipal de Saúde, a argentina Marianela Elizabeth Pereyra, de 41 anos, internada há 12 dias no Hospital Geral, vai receber alta hoje.

Por outro lado, a Polícia Civil já deu a investigação por encerrada. A delegada-titular da 132ª DP, Flávia Monteiro, disse que já pediu à Justiça a prisão preventiva do suspeito do crime.

– Estamos aguardando a manifestação do Ministério Público e a decisão do juiz – disse, por telefone, a delegada, que ontem teve um compromisso no Rio.

Marianela precisou ser operada por causa das 18 perfurações que a atingiram nos membros superiores e inferiores, nos glúteos e na região abdominal.

Ela foi ouvida duas vezes pela delegada enquanto esteve internada. Segundo o depoimento da estrangeira, que mora em um acesso ao morro da Cabocla, o ataque aconteceu depois que ela reagiu ao assédio do suspeito, que é vizinho da vítima.

O agressor, que está foragido, tentou agarrar a mulher, com quem bebia. Com a recusa, ele, que estava embriagado, a golpeou em várias partes do corpo.

A argentina tem uma namorada que não estava em casa na hora do crime. Parentes vieram do país vizinho para prestar apoio à Marianela e acompanhar as investigações.

Na semana passada, a Folha publicou dados do Dossiê Mulher. E eles são negativos para o município cabista. Em números absolutos, foram 15 casos de estupro registrados no ano passado. Já levando-se em conta a taxa para um grupo de 100 mil habitantes, o número sobe para 101,4 casos, uma das maiores do estado do Rio.