Assine Já
quarta, 30 de setembro de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8382 Óbitos: 435
Confirmados Óbitos
Araruama 1653 103
Armação dos Búzios 495 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2765 149
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
PM

Polícia Militar aperta o cerco contra facções

PM reforçou segurança na Região da Grande Jardim após confronto entre quadrilhas

15 novembro 2016 - 11h12Por Gabriel Tinoco
Polícia Militar aperta o cerco contra facções

Após uma semana marcada pelo con­fronto sangrento entre facções crimino­sas, a Polícia Militar apertou o cerco no Jardim Esperança na madrugada de do­mingo. O comércio da comunidade do Morro do Limão, que fica na Região da Grande Jardim, amanheceu de portas fechadas por conta de um tiroteio entre quadrilhas rivais – a outra comanda o tráfico na comunidade do Valão.

Traficantes do Morro do Limão te­riam ordenado o fechamento por causa de possíveis confrontos futuros. O pri­meiro confronto ocorreu na noite da úl­tima sexta-feira por parte de criminosos da comunidade do Valão. No na noite do dia seguinte, a resposta veio: um ho­mem do Valão foi morto e outros dois foram baleados.

O comandante do 25º BPM, André Henrique Oliveira, confirmou duas mortes provocadas por tiroteio: uma na comunidade do Valão, outra na do Limão.

O tenente-coronel aproveitou a ope­ração para mandar a tropa combater o tráfico de drogas no local. À Folha, ele afirmou que a Polícia Civil está inves­tigando os autores dos homicídios e pediu a colaboração da população para ligar para o Disque Denúncia (2643-0190) ou para a Sala de Operações (2649-8669).

No último sábado, um homem foi ba­leado no Morro do Limão: Carlos Ga­briel, conhecido como Nissinho, estava estirado no chão com marcas de tiro no corpo. A vítima chamou a atenção dos moradores que chamaram o Corpo de Bombeiros. Ele foi resgatado ainda com vida. A Polícia Civil não sabe ain­da se Nissinho morreu ou não.

O homem teria sido baleado por ser um ‘x-9’ (gíria usada para dedo duro) enquanto caminhava na rua.