Assine Já
segunda, 13 de julho de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 272 7
Arraial do Cabo 16 84 11
Cabo Frio X 1037 64
Iguaba Grande 12 241 20
São Pedro da Aldeia 10 530 19
Saquarema 32 566 33
Últimas notícias sobre a COVID-19
PM

Polícia Militar aperta o cerco contra facções

PM reforçou segurança na Região da Grande Jardim após confronto entre quadrilhas

15 novembro 2016 - 11h12Por Gabriel Tinoco
Polícia Militar aperta o cerco contra facções

Após uma semana marcada pelo con­fronto sangrento entre facções crimino­sas, a Polícia Militar apertou o cerco no Jardim Esperança na madrugada de do­mingo. O comércio da comunidade do Morro do Limão, que fica na Região da Grande Jardim, amanheceu de portas fechadas por conta de um tiroteio entre quadrilhas rivais – a outra comanda o tráfico na comunidade do Valão.

Traficantes do Morro do Limão te­riam ordenado o fechamento por causa de possíveis confrontos futuros. O pri­meiro confronto ocorreu na noite da úl­tima sexta-feira por parte de criminosos da comunidade do Valão. No na noite do dia seguinte, a resposta veio: um ho­mem do Valão foi morto e outros dois foram baleados.

O comandante do 25º BPM, André Henrique Oliveira, confirmou duas mortes provocadas por tiroteio: uma na comunidade do Valão, outra na do Limão.

O tenente-coronel aproveitou a ope­ração para mandar a tropa combater o tráfico de drogas no local. À Folha, ele afirmou que a Polícia Civil está inves­tigando os autores dos homicídios e pediu a colaboração da população para ligar para o Disque Denúncia (2643-0190) ou para a Sala de Operações (2649-8669).

No último sábado, um homem foi ba­leado no Morro do Limão: Carlos Ga­briel, conhecido como Nissinho, estava estirado no chão com marcas de tiro no corpo. A vítima chamou a atenção dos moradores que chamaram o Corpo de Bombeiros. Ele foi resgatado ainda com vida. A Polícia Civil não sabe ain­da se Nissinho morreu ou não.

O homem teria sido baleado por ser um ‘x-9’ (gíria usada para dedo duro) enquanto caminhava na rua.