Assine Já
terça, 24 de novembro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11377 Óbitos: 530
Confirmados Óbitos
Araruama 2262 116
Armação dos Búzios 1000 16
Arraial do Cabo 364 16
Cabo Frio 3609 179
Iguaba Grande 1034 39
São Pedro da Aldeia 1693 75
Saquarema 1415 89
Últimas notícias sobre a COVID-19
golpe

Polícia investiga possível fraude em sumiço de carros de concessionária

Delegado de Cabo Frio ouve vítimas e testemunhas de suposto golpe 

03 junho 2016 - 11h32Por Rodrigo Branco
Polícia investiga possível fraude em sumiço de carros de concessionária

O delegado titular da 126ª DP (Cabo Frio), Carlos Abreu, está ouvindo as vítimas e testemunhas de suposto golpe aplicado por uma concessionária de carros que funcionava no Braga, fechada desde o feriado de Corpus Christi. Segundo Abreu, o dono da loja, conhecido na cidade como ‘Tony’, também será chamado para depor tão logo seja localizado.

– Esta semana, recebemos algumas notícias de possíveis fraudes envolvendo essa empresa, e a gente já instaurou inquérito para apurar os fatos. A gente está ouvindo as vítimas, testemunhas e vamos tentar ouvir o proprietário e sócios dessa empresa, para prestarem esclarecimentos – disse.

Conforme publicado na edição de ontem, diversas pessoas procuraram a unidade para registrar a ocorrência depois que encontraram a loja fechada e constataram o sumiço de ‘Tony’. Vários carros deixados na concessionária, para venda em consignação, também desapareceram.

No entanto, o que mais intrigou as vítimas ouvidas pela Folha foi o fato de a loja ter conseguido receber das financeiras o dinheiro da venda dos carros deixados pelos clientes mesmo sem a assinatura do antigo proprietário no recibo de compra. O delegado não descartou a chance de outras pessoas participarem de possível fraude.

– Essa relação também está sendo analisada. Caso exista fraude por parte de alguém da financeira também será responsabilizado criminalmente, mas independentemente disso há medidas que podem ser adotadas na esfera cível – afirma.

Uma delas, a apreensão de bens da loja é o que preocupa o professor universitário Sérgio Porto. A Sportage comprada por R$ 85 mil em dezembro ainda está no nome da empresa, que até hoje não deu o recibo para transferência.

– Não está no meu nome e vou ter gastos desnecessários com advogado – desabafa o professor.