Assine Já
quinta, 24 de junho de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
16ºmin
Alerj2
Alerj3
TEMPO REAL Confirmados: 43614 Óbitos: 1679
Confirmados Óbitos
Araruama 10812 339
Armação dos Búzios 5233 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11637 622
Iguaba Grande 4486 107
São Pedro da Aldeia 5916 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
Enfermeira

Polícia identifica suspeito de matar enfermeira

Corpo de Valdenise Vieira Faria foi encontrado no bairro Maria Joaquina, em Armação dos Búzios

10 novembro 2015 - 09h09Por Nicia Carvalho

O delegado Carlos Abreu, ti­tular da 126º Delegacia de Polí­cia, em Cabo Frio, afirmou na última segunda (9) que o caso da enfermeira Valdenise Vieira Faria, de 29 anos, está solucionado e se trata de homicídio. O suspeito, que já foi identificado, não teve o nome divulgado pelos agentes para preservar as buscas, que acontecem desde a semana pas­sada. O corpo da enfermeira, desaparecida desde o dia 3, foi encontrado no último domingo, no bairro Maria Joaquina, em Cabo Frio.

– O que inicialmente era um desaparecimento se transfor­mou em homicídio, confirma­do pela perícia. O laudo com a causa da morte ainda não che­gou, mas dados preliminares in­dicam que ela morreu logo após o desaparecimento. Prefiro não informar nada sobre o suspeito para não atrapalhar as buscas – explicou o delegado, que tam­bém não confirmou nem negou as primeiras informações que davam conta do companheiro de Valdenise, Alessandro Car­valho, de 39 anos, como suspei­to. Ele ainda está desaparecido.

Segundo informações de fa­miliares, Valdenise trabalhava nos Hospitais Santa Izabel, no Centro, e no São José Operá­rio, em São Cristóvão, ambos em Cabo Frio. Ela foi vista pela última vez no bairro da Rasa, em Armação dos Búzios, para onde teria ido após terminar um plantão, e estaria acompanhada de um homem, que seria Ales­sandro, de acordo com testemu­nhas ouvidas. Segundo Marcí­lio Vieira de Farias, irmão de Valdenise, o relacionamento de ambos era recente, com menos de um ano. Segundo ele, o ca­sal “brigava muito” e a irmã te­ria classificado a relação como “turbulenta”.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta terça-feira (10)