Assine Já
segunda, 26 de julho de 2021
Região dos Lagos
26ºmax
14ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 45921 Óbitos: 1853
Confirmados Óbitos
Araruama 11325 353
Armação dos Búzios 5456 57
Arraial do Cabo 1564 87
Cabo Frio 12520 751
Iguaba Grande 4746 114
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4166 218
Últimas notícias sobre a COVID-19
CRIME BÁRBARO

Polícia avança na investigação para esclarecer assassinato de mulher em Cabo Frio

Imagens de câmeras próximas à Praia das Dunas são usadas para identificar suspeito do crime

17 março 2021 - 20h16Por Redação

A Polícia Civil avançou na investigação para esclarecer a morte de Naimar Ferreira, de 49 anos, cujo corpo foi encontrado mutilado e com diversas outras marcas de violência, na Praia das Dunas, em Cabo Frio, nesta segunda-feira (15). Ela estava desaparecida desde o último sábado (13). Segundo a 126ª DP (Cabo Frio), um inquérito foi instaurado para apurar o crime e diligências estão sendo feitas pela equipe da delegacia.

Um dos familiares da vítima, que morava no Itajuru, diz que o principal suspeito já foi identificado pelos policiais por meio de imagens de câmeras instaladas nas proximidades do local onde o corpo de Naimar foi encontrado. O parente, que não quis se identificar por razões de segurança, esteve na delegacia nesta quarta (17) e diz que a polícia está prestes a elucidar o caso.

– Na verdade, para a gente não teve novidade porque, desde o princípio, a gente tinha certza que foi ele. Conversei com ele no sábado a noite, senti ele se contradizendo muito, mas não tinha prova, não tinha nada, não tinha como segurar ele. Tinha certeza absoluta que foi ele, mas precisou a polícia fazer a parte investigativa, juntar as câmeras todinhas e fazer o percurso – disse.

De acordo com as imagens, o criminoso teria transportado o corpo de Naimar, enrolado em um pano grosso, dentro de um carrinho de mão. 

– A gente está muito abalado com a situação, pela forma brutal como ela foi assassinada. Ela não teve chance de defesa nenhuma; a forma como ela foi jogada na praia, dois dias praticamente no mato. O rosto estava completamente desfigurado. Nao tivemos nem como fazer um velório decente, teve que ser de caixaão fechado – lamenta o familiar. 

 

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.