Assine Já
sexta, 22 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
28ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
Polícia

Polícia alerta sobre golpe aplicado por Whatsapp na região

​Criminosos ‘roubam’ perfil, se passam por conhecidos das vítimas e pedem depósitos

11 maio 2019 - 10h01

RODRIGO BRANCO

Ferramenta cotidianamente usada tanto para trabalho como lazer, o WhatsApp tornou-se um instrumento para que criminosos apliquem um novo golpe na praça. A advertência foi feita pelo titular da 126ª DP (Cabo Frio), delegado Sérgio Caldas, em grupos de segurança pública no próprio aplicativo de conversas instantâneas. De acordo com Caldas, o crime é consumado por meio de sites de compra e venda na internet.

– Recomendo que não atendam a qualquer pedido de depósito ou transferência bancária oriundo de Whatsapp, Telegram e etc. Caso um familiar ou amigo peça algo do gênero, nunca o faça antes de confirmar que realmente é aquela pessoa que está pedindo o valor em tela. O malandro, após clonar o aplicativo, pede para depositar certo valor em contas bancárias, que normalmente foram abertas com documentos falsos ou são de laranjas – explica o delegado.

O secretário de Esportes de São Pedro da Aldeia, Thiago Costa, foi um dos que passou pela situação. Depois de anunciar a venda de um carro por um site de venda, recebeu uma mensagem falsa do portal pedindo a validação de um ‘código de segurança’ por meio de mensagem SMS. Ao validar o código, uma mensagem foi enviada para todos os contatos dele pedindo um empréstimo de R$ 3 mil a ser pago no dia seguinte.

Thiago diz que percebeu que havia algo errado quando amigos e sua mãe começaram a ligar para saber se estava tudo em ordem e qual a razão pelo pedido do dinheiro. O secretário disse que tentou avisar sobre o golpe nas suas redes sociais e para pessoas da imprensa, mas, ainda assim, dois amigos depositaram a quantia e outro a metade dela. O caso foi registrado na 126ª DP.

– Fui até a operadora, que disse que não podia fazer nada porque o WhatsApp pode ser instalado com qualquer operadora. Depois mandei uma mensagem para a empresa pelo zap. Não é bem uma clonagem porque ele (estelionatário) passou a usar o meu zap, que eu não tive mais acesso. Acho que houve falha de segurança por parte do WhatsApp por que permitiu que a minha conta fosse usada de outro aparelho e nem questionou – disse o secretário aldeense, que passou a usar outro aplicativo de mensagens, o Telegram, considerado por ele ‘mais seguro’.

De acordo com o delegado, os golpistas aproveitam as novas tecnologias para sofisticar a atuação criminosa.

– Os estelionatários são criminosos com habilidade para levar suas vítimas ao erro. O advento dos aplicativos instantâneos de mensagens potencializou a forma de agir desses malandros, pois podem enganar as pessoas via internet e aumentar o número de vítimas – explicou o delegado.

Além de Thiago, pelo menos outras cinco pessoas passaram pela mesma situação na região. Na edição do último dia 29 de março, a Folha publicou sobre os novos crimes virtuais aplicados na região. Na ocasião, o alerta foi sobre falsários que se apresentam como intermediários em negócios feitos também por meio de sites de compra e venda.

O criminoso recebe o valor da venda em questão, mas não o repassa para o dono do bem. Na verdade, o estelionatário faz uma falsa transferência para o vendedor do veículo que, em seguida, fez a transferência de propriedade para um ‘laranja’ indicado pelo criminoso. Em geral, a vítima fica segura da situação, pois recebe a imagem de recibo adulterado por computador e repassado por WhatsApp.

O golpe só é percebido quando o vendedor não vê o dinheiro entrar na conta dele e o comprador não recebe o bem ou não pode passar para o seu nome, no caso de veículos.