sexta, 01 de março de 2024
sexta, 01 de março de 2024
Cabo Frio
26°C
Park Lagos mobile
ordem publica

Plano para diminuir roubos de rua

Reunião entre comandante do Batalhão e guardas dá inicio a grupo de trabalho
 

15 maio 2015 - 09h10
Plano para diminuir roubos de rua

ROSANA RODRIGUES

Um sistema de parceria entre o 25º BPM (Cabo Frio) e as Guardas Municipais das cidades de Cabo Frio, Araruama, Búzios e Saquarema iniciará uma série de ações integradas com o objetivo de diminuir os indicadores de roubos de rua na região. A discussão sobre o combate ao crime a pedestres – realizada ontem à tarde na sede do batalhão – foi proposta pelo tenente-coronel Ruy França, que pretende iniciar um grupo de trabalho integrado pelos comandantes das guardas e secretários municipais de Ordem Pública e ampliar o monitoramento estratégico nas áreas mapeadas com grande incidência. O comandante ressaltou que, com a perda de cerca de 120 homens por dia por causa do corte de horas extras feitas por policiais de seu efetivo, a “hora é de buscar alternativas criativas”.

– A Segurança Pública não é exclusividade do Estado. A PM contará com uma rede de apoio para levar sensação de segurança à população. Os agentes da Guarda Municipal contribuirão muito com a troca de informações com os PMs no policiamento ostensivo. E, com isso, quem sai beneficiado é o cidadão – observa o oficial.

Nos três primeiros meses do ano, a meta estabelecida pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) ficou longe de ser atingida. Em fevereiro, por exemplo, o sinal vermelho ficou intenso no quadro afixado no hall de entrada do gabinete do comandante. A meta do número de roubos a transeuntes, que era de 65 casos, extrapolou em quase cem por cento, já que foram 129 registros. Já em janeiro, o objetivo que era para ser alcançado chegava ao número de 67 notificações e o número de ocorrências foi de 86.

– A ideia é fazermos uma reunião quinzenal para estabelecermos prioridades regionalizadas e integradas e atender a demanda de cada segmento a fim de discutir o período e o local específico para de que os agentes atendam a demanda da população – ressaltou.

O comandante comenta que os números fixados pelo ISP não levam a sazonalidade como fator para baixar a meta de produtividade e sim a média de casos dos últimos anos. O quadro aponta, por exemplo, para uma meta de 86 casos do crime em abril e 105 em maio, meses em que a região já conta com uma população normal.

Um das situações apontadas durante a discussão que pode vir a integrar as forças é a questão do monitoramento de lugares públicos que promovem eventos clandestinos.

– Vamos continuar com a nossa dinâmica com relação a utilização à tecnologia, que estará a nosso favor. A guarda, por exemplo, pode identificar e diagnosticas locais com vendas clandestinas de aparelhos celulares. Com essa iniciativa podemos atuar e diminuir o furto de aparelhos naqueles. Ou ainda algum bar que incentive o comércio de drogas ou com venda de bebidas alcoólicas, o que pode gerar conflitos, desavenças e mortes por motivos fúteis. Esses locais podem estar funcionando sem autorização e o Departamento de Posturas, por exemplo, pode coibir estas ações – exemplificou o comandante.