Assine Já
quinta, 21 de outubro de 2021
Região dos Lagos
20ºmax
15ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Operação Constantino

Constantino 3: operação contra o tráfico em Cabo Frio prende 11 nesta sexta

Além disso, foram cumpridos sete mandados de prisão de criminosos que já estavam na cadeia

16 agosto 2019 - 12h53Por Redação I Foto: Divulgação
Constantino 3: operação contra o tráfico em Cabo Frio prende 11 nesta sexta

Uma operação contra o tráfico de drogas em comunidades de Cabo Frio prendeu 11 pessoas na manhã desta sexta-feira (16). A ação, batizada de Operação Constantino 3, teve a participação de mais de 200 agentes do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual (MP-RJ) e da Polícia Militar, inclusive com policiais do Batalhão de Choque.

O objetivo da ação foi cumprir 31 mandados de prisão de pessoas com envolvimento com o tráfico em comunidades de Tamoios e da Boca do Mato. Desses mandados, 15 foram cumpridos, sendo oito na manhã desta sexta e sete de criminosos que já cumprem pena em presídios. Além disso, três pessoas foram presas em flagrante por porte de arma de fogo.

De acordo com o promotor de Justiça do Gaeco Marcelo Arsenio, duas pessoas foram atingidas em confrontos com a polícia: uma no Jacaré e outra na Boca do Mato, sendo que uma delas morreu e a outra está sendo operada no hospital. Também foram apreendidas drogas, celulares e outros objetos. As ocorrências são registradas na 126ª DP (Cabo Frio).

O promotor disse que ação de hoje é uma continuação das outras fases da Operação Constantino, realizadas em 2015 e 2016 e resultaram na prisão do traficante Carlos Eduardo Freira Barboza, o Cadu Playboy, que cumpre pena de mais 150 anos no presídio federal de Catanduvas (SP).  

Segundo Arsenio, escutas telefônicas mostram que apesar de confinado e sem acesso a celulares, Cadu continuava a dar ordens para os comparsas que chefiavam o tráfico nas favelas da região.

– Esse é uma continuação das outras fases, até porque as lideranças da organização criminosa são cíclicas. Quando um é preso, a liderança é reposta aqui fora e continua a receber as ordens de dentro da cadeia. Ele [Cadu] não foi flagrado em uma escuta, mas ele passava ordens para subordinados que repassavam para outros comparsas, que chefiavam o tráfico no local. Como ele não tem contato com o mundo exterior, a forma de contato é por alguém no momento da visita – explica o promotor de Justiça.

A reportagem espera o fechamento das ocorrências por parte da Polícia Militar e essa postagem será atualizada quando isso ocorrer.