Assine Já
sábado, 19 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
golpe

O golpe do bilhete premiado volta a ser aplicado

Criminosos agem em Cabo Frio enganando, sobretudo, idosos

27 maio 2017 - 10h29Por Rodrigo Branco
O golpe do bilhete premiado volta a ser aplicado

Uma das mais antigas modalidades de golpe – o do ‘bilhete premiado de loteria’ – voltou a ser praticada a todo vapor em Cabo Frio. E o pior: os estelionatários tem agido livremente, sobretudo, porque muitas vítimas preferem não prestar queixa à polícia, seja por medo de represálias ou apenas por vergonha.

 Somente na última semana, aconteceram duas tentativas do crime, em um raio de menos de um quilômetro entre uma abordagem e outra. Os alvos preferenciais são senhoras com mais de 60 anos, aposentadas, consideradas mais vulneráveis à ação dos bandidos.

Os dois casos aconteceram na quarta-feira, mas não se concretizaram. Em ambas, as idosas desconfiaram da ação, cujo enredo é basicamente o mesmo: a vítima é abordada por uma mulher de aproximadamente 40 anos, de pele branca e cabelos lisos na altura dos ombros, que se diz analfabeta e recém-chegada do interior do Estado.

Com um pedaço de papel na mão, a golpista pede ajuda para encontrar um determinado endereço, para o qual supostamente tem que levar um carnê a um homem. Durante a conversa, aproxima-se um rapaz branco e bem vestido que se oferece para ajudar. Em determinado momento, a ‘mulher do interior’ retira o bilhete de loteria forjado. A partir daí, dispondo-se a ajudar a retirar o prêmio, a vítima vai sendo envolvida pelos criminosos, a ponto de trocar o bilhete por vultosas quantias de dinheiro.

Uma das entrevistadas afirmou que reviveu situação semelhante ocorrida há cinco anos, quando também quase caiu no golpe. Segundo a mulher, de 66 anos, ela caminhava pela Rua Mário Quintanilha, próximo a Escola Arlete Castanho, quando recebeu a abordagem. Ao lembrar-se de que, em 2012, chegou a entrar no carro dos falsários e quase entregar a eles o dinheiro, recuou, mas não sem passar mal.

– Tenho que agradecer a Deus, que me ajudou – diz.

* Matéria completa na edição deste fim de semana da Folha dos Lagos.