Assine Já
quarta, 20 de outubro de 2021
Região dos Lagos
19ºmax
16ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
JULGAMENTO DOS RECURSOS EM LIBERDADE

Justiça decide soltar Cadu Playboy e demais presos na Operação Dominação 2

Decisão de desembargador foi baseada em recomendação do CNJ de prevenção ao coronavírus

26 março 2020 - 21h03Por Redação

Uma decisão do desembargador Joaquim Domingos de Almeida Neto, da 7ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) determinou, nesta quinta-feira (26), a soltura de Carlos Eduardo Freire Barboza, o Cadu Playboy, e dos demais presos no processo referente à Operação Dominação 2, realizada em dezembro de 2015 pela Polícia Federal, do Grupo de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público e da Receita Federal. A informação foi publicada no Portal Lagos Notícias.

Entre os beneficiados pela decisão de aguardar julgamento de recurso em liberdade estão o pai de Cadu, o ex-presidente da antiga autarquia de limpeza e serviços públicos de Arraial do Cabo (Ecatur), Francisco Eduardo Freira Barboza, o Chico da Ecatur; o subsecretário municipal de Governo na época, Cláudio Sérgio de Mello Corrêa, o então subsecretário de Serviços Públicos , Sérgio Evaristo, conhecido como Vivi, e o também ex-presidente da Ecatur, Agnaldo Silvio Luiz. 

O ex-presidente da Câmara de Arraial, Arivaldo Cavalcanti Filho, o Dinho, e o braço direito de Chico da Ecatur, Victor Pimentel Canellas também serão beneficiados pela sentença.

Por se tratar de processo que corre em segredo de Justiça, o TJ não se manifestou sobre o assunto, mas segundo a reportagem da Folha dos Lagos apurou, o alvará de soltura de todos os beneficiados deverá ser expedido até esta sexta-feira (27), por conta de alguns trâmites burocráticos. Alguns dos beneficiados pela sentença já se encontram em liberdade.

A revisão da prisão dos acusados levou em conta a recomendação nº 62/2020, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que trata sobre a pandemia do novo coronavírus e de ações de prevenção à doença. Os beneficiados pela decisão foram condenados sob a acusação de pertencer a uma quadrilha que usaria a Ecatur para um esquema de lavagem do tráfico de drogas e desvio de verbas públicas.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.