Assine Já
sexta, 18 de setembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7654 Óbitos: 398
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2467 130
Iguaba Grande 627 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 61
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cadu Playboy

Justiça condena Cadu Playboy a mais de 57 anos de prisão

Decisão deixa atrás das grades outras 19 pessoas por tráfico de drogas na Região dos Lagos

10 março 2017 - 15h57Por Redação I Foto: Arquivo Folha
Justiça condena Cadu Playboy a mais de 57 anos de prisão

O traficante de drogas Carlos Eduardo Rocha Freire Barboza, conhecido como “Cadu Playboy”, foi condenado, nesta sexta-feira (10/03), a 57 anos de reclusão em regime inicial fechado. A sentença foi dada após denúncia do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ).

O juiz Márcio Dantas, da 2ª Vara da Comarca de São Pedro da Aldeia, condenou, ainda, outros 19 réus, também por tráfico de drogas e organização criminosa. Todas as penas variam entre três e 57 anos de reclusão. O criminoso Luciano Marcos Ferreira Thomé, o Italiano, foi condenado a 32 anos de reclusão, também em regime fechado.

Os condenados foram descobertos durante a “Operação Dominação”, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – GAECO/MPRJ e a Polícia Federal.
A quadrilha era integrada à facção criminosa Comando Vermelho e liderada por Cadu Playboy. O bando atuava no comércio de drogas em pontos de venda implantados e mantidos em localidades da Região dos Lagos. Playboy também adquiria e recebia de fornecedores e associados armas de fogo e munições de diversos calibres, distribuídos ao resto da quadrilha, além de receber auxílio do também condenado João Paulo Firmiano Mendes da Silva, vulgo “Russão” ou “Monstro”. Espécie de chefe ativo, João Paulo era integrante da mesma facção criminosa e chefe da Comunidade da Mangueira, no Rio.

Eles possuíam inúmeros bens, entre eles imóveis, veículos, embarcações e terrenos. Houve, ainda, envolvimento dos condenados em ações políticas, como a compra de votos na região, além de terem constituído sociedades empresariais. O juiz determinou também a perda da propriedade dos bens e a dissolução das sociedades empresárias constituídas com dinheiro ilícito.

Também foram condenados no mesmo processo Alessandro da Silva Bazame; João Paulo Firmiano Mendes da Silva; Éverton Cezar dos Anjos; Márcio de Oliveira Conceição; Rodrigo Costa Lima; Fernando de Matos Lima; Eriko dos Santos Nascimento; Rubens Carpi Costa Junior; Leonardo Mello Vieira; Paulo Ricardo Rangel Siqueira; Luiz Carlos Souza Pinto; José Vignoli; Rodrigo Vignoli; Camila Vignoli; Douglas Pereira Rocha; Rui Pralon Meireles; Roberta Ribeiro da Silva Flora; e Soraia Pereira da Fonseca Rocha.