Assine Já
quinta, 01 de outubro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8438 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1675 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 256 15
Cabo Frio 2775 149
Iguaba Grande 699 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
GAECO

GAECO cumpre mandados de busca e apreensão e denuncia ex-comandante de Operações Especiais da PM

O coronel Fontenelle seria dono de uma mansão em Búzios

04 agosto 2015 - 11h20
GAECO cumpre mandados de busca e apreensão e denuncia ex-comandante de Operações Especiais da PM

O Ministério Público ofereceu denúncia contra o ex- comandante de Operações Especiais da Polícia Militar, coronel Alexandre Fontenelle, preso em setembro do ano passado na Operação Amigos S/A. Ele foi denunciado por crime de lavagem de dinheiro e é acusado de ter vários imóveis de luxo – um deles, uma mansão em área nobre de Búzios. O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), em parceria com a Secretaria de Segurança do Estado do Rio, cumpre dez mandados de busca e apreensão, na manhã desta terça-feira (04/08) em vários pontos do Rio de Janeiro.

O MP também ofereceu denúncia contra o ex-subcomandante do 14º BPM (Bangu), major Carlos Alexandre de Jesus Lucas; o ex-chefe da P2 do 14º BPM, capitão Walter Colchone Netto; o ex-coordenador operacional do 14º BPM, major Edson Alexandre Pinto de Góes; e as advogadas Maria Mércia Fontenelle de Oliveira e Maria Paula Fontenelle de Oliveira, respectivamente mãe e irmã do coronel Fontenelle. Eles são acusados pelo crime de lavagem de dinheiro.

No curso das investigações, R$ 287,6 mil em espécie foram apreendidos na residência do major Edson. O dinheiro estava acondicionado em sacos plásticos, em maços de R$ 5 mil, e escondido no interior de um armário. Também foram encontrados 400 euros, joias em ouro e um bilhete manuscrito, que demonstrava uma divisão de quantias em dinheiro entre coronel Alexandre, major Edson e capitão Colchone.

 Ainda segundo a denúncia, Fontenelle incorreu no crime de lavagem de dinheiro três vezes e pode pegar pena de reclusão entre três e dez anos, por cada incidência, mais multa.