sexta, 02 de junho de 2023
sexta, 02 de junho de 2023
Cabo Frio
24°C
Polícia

Em 2019, roubos na região têm maior índice desde 2010

Nos nove primeiros meses deste ano, foram registradas 2.144 ocorrências 

23 outubro 2019 - 20h10Por Rodrigo Branco
Em 2019, roubos na região têm maior índice desde 2010

O Instituto de Segurança Pública (ISP), órgão vinculado ao Governo do Estado, acaba de fechar os números da criminalidade em setembro. Os dados consolidam uma tendência que a Folha tem acompanhado há meses, de aumento nas ocorrências de crimes contra o patrimônio, sobretudo, os roubos. Se o índice de assaltos caiu em relação a agosto (170 contra 220), no acumulado desde o início do ano, a realidade é crua. As 2.144 ocorrências registradas representam a maior marca desde 2010 na área do 25º Batalhão de Polícia Militar, que tem sede em Cabo Frio e responde por sete municípios. Isso significa aproximadamente um roubo registrado a cada três horas na região. Em 2018, foram 2.008 roubos no mesmo período, o que significa um aumento de 6,7%.


Da quantidade levantada pelo estudo do ISP, a maior parte refere-se a assaltos a pedestres, que teve 1.042 ocorrências entre janeiro e setembro de 2019. No ano passado, à esta altura, vítimas de assalto nas ruas da região registraram 919 ocorrências nas delegacias de Cabo Frio, Arraial do Cabo, São Pedro da Aldeia, Armação dos Búzios, Araruama, Saquarema e Iguaba Grande. O acréscimo foi de 13,3% em 12 meses. Quem fica com o olho vidrado na tela do celular e não se dá conta do que acontece na rua também deve redobrar a atenção. Essa modalidade de roubo subiu 40% se comparados os nove primeiros meses do ano passado com os desse ano (262 em 2018 e 367 em 2019).


Entre os índices que caíram estão o roubo de veículos, que passou de 288 para 266 (decréscimo de 7,6%), e os assaltos a estabelecimentos comerciais que tiveram declínio de 138 para 119 registros (queda de 13,7%). Levando em conta apenas o mês de setembro, houve redução de 220 ocorrências, em 2018, para 178, este ano, o que significa de 19%, insuficientes para levar o índice acumulado a em patamar mais tranquilo, do ponto de vista histórico.


Pelo menos, o estudo traz informações que mostram uma estancamento na letalidade violenta na região. Conforme reportagem publicada no mês passado, de abril até o fim de agosto, o somatório de homicídios dolosos, latrocínios (roubos seguidos de morte), lesões corporais seguidas de morte e mortes por intervenção policial (‘autos de resistência’) subiu 63%. Mas de agosto para setembro, o índice caiu de 31 para 27 (queda de 13%), revertendo, ainda que brevemente, uma tendência de escalada sangrenta.


No acumulado entre janeiro e setembro de 2018 e o mesmo período deste ano, também houve decréscimo nas mortes violentas de 270 para 227 ocorrências.  Um recuo de 15,9%. Em setembro, houve 22 homicídios na região contra 29 no mesmo mês do ano passado (queda de 24%). 
No quesito letalidade violenta, a refgião acompanhou o que foi observado no estado. Conforme a Folha publicou na edição de ontem, o índice de homicídios dolosos no estado do Rio de Janeiro caiu 21% nos nove primeiros meses deste ano em relação ao mesmo período de 2018, o que representa 818 mortes a menos. De janeiro a setembro foram registradas 3.025 vítimas, contra 3.843 no ano passado. Esse é o menor número de vítimas para o acumulado do ano desde 1991. Na comparação entre os meses de setembro, a redução foi de 19% (308 em 2019 e 382 em 2018), a menor quantidade de vítimas para o mês desde 1991.


O indicador estratégico crimes violentos letais intencionais (homicídio doloso, roubo seguido de morte e lesão corporal seguida de morte) também declinou: uma queda de 20% tanto em relação a setembro de 2018 como se comparado o trimestre (julho, agosto e setembro) com igual período do ano passado.


Em nota, a Polícia Militar disse que o 25º BPM (Cabo Frio) vem trabalhando incessantemente para reduzir todo e qualquer tipo de ação criminosa em sua área de atuação. A corporação reforça que houve redução de letalidade violenta e o comando do batalhão vai continuar trabalhando para reduzir os demais índices.