Assine Já
quarta, 20 de outubro de 2021
Região dos Lagos
19ºmax
16ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Polícia

Defesa de Cadu Playboy rebate acusações do Ministério Público

Advogada nega que cliente dê ordens da cadeia para traficantes da região

04 setembro 2019 - 19h52
Defesa de Cadu Playboy rebate acusações do Ministério Público

A defesa de Carlos Eduardo Freira Barboza, o Cadu Playboy, que atualmente cumpre pena no presídio federal de Catanduvas (PR) por tráfico de drogas e outros crimes, rebateu as acusações feitas pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro de que ele manteria contato com o mundo exterior, dando ordens a criminosos de comunidades da Região dos Lagos. 


As declarações de que ainda há um possível contato entre Cadu e o crime organizado na região foram feitas durante a Operação Constantino 3, realizada em 16 de agosto pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP-RJ e pela Polícia Militar.


De acordo com a advogada Paloma Gurgel, que representa Cadu no Paraná, ele está há três anos e dois meses “no sistema prisional mais rigoroso do país”. A advogada afirma que seu cliente passa por longo período de isolamento, em cela individual por cerca de 22 horas por dia; distante da família e sem visitas sociais ou íntimas, apenas com visitas gravadas e monitoradas. Na unidade, também há proibição de visita social nos pátios das esposas que estiverem respondendo a quaisquer investigações policiais ou a processos judiciais em curso. Nesse caso, elas têm a visitação limitada por um vidro blindado.


“Contato íntimo, com a esposa, ele não tem desde o dia em que ingressou no presídio federal. O único contato é com a família, através do vidro, que aliás nunca foi interrompido. Ainda: ele tem atestado de bom comportamento carcerário. O sistema é rígido. Se tivesse alguma comunicação com o mundo exterior, certamente ele já estaria respondendo a processo administrativo ou judicial. O que não há.  Pelo contrário, a situação dele vem melhorando, pelo bom comportamento, inclusive estudos”, disse a advogada, por meio de nota enviada à Redação. 


A prisão preventiva foi decretada em 9 de outubro de 2015 e mantida em sentença proferida em 13 de julho do ano passado, a uma pena de 158 anos e oito meses. A defesa de Cadu enviou para reportagem a cópia de uma decisão do Supremo Tribunal Federal deferindo pedido de extensão no habeas corpus de relatoria do Ministro Marco Aurélio, determinando a expedição de alvará de soltura de Carlos Eduardo, “diante do excessivo prazo em que tem sido mantido preso”. 


A Operação Constantino 3 teve a participação de mais de 200 agentes do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual (MP-RJ) e da Polícia Militar, inclusive com policiais do Batalhão de Choque.
O objetivo da ação foi cumprir 31 mandados de prisão de pessoas com envolvimento com o tráfico em comunidades de Tamoios e da Boca do Mato. Desses mandados, 15 foram cumpridos, sendo oito no dia 16 de agosto e sete de criminosos que já cumpriam pena em presídios. Além disso, três pessoas foram presas em flagrante por porte de arma de fogo.

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 29 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições na porta de casa, de terça a sábado. Ligue já: (22) 2644-4698. *Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.