Assine Já
quarta, 03 de março de 2021
São Paulo
39ºmax
24ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 26908 Óbitos: 924
Confirmados Óbitos
Araruama 6793 183
Armação dos Búzios 3238 32
Arraial do Cabo 865 38
Cabo Frio 7468 356
Iguaba Grande 2542 56
São Pedro da Aldeia 3551 126
Saquarema 2451 133
Últimas notícias sobre a COVID-19
PM

Crise econômica atinge batalhões e a rotina é de caos na PM

Coletes e munições vencidos, gasolina racionada e salários atrasados

25 junho 2016 - 09h45
Crise econômica atinge batalhões e a rotina é de caos na PM

Coletes vencidos, munições duvidosas, gasolina racionada, comida escassa, viaturas sem manutenção e benefícios atrasados. Esta é a rotina nos batalhões de polícia do estado do Rio, por conta da crise econômica que colocou o estado na penúria. Os relatos dos policiais que se sentem ameaçados e desmotivados denunciam um quadro de caos, insegurança e guerra. Não bastasse isso, o número de PMs mortos só este ano chega a 47.

– Estamos enxugando gelo, literalmente. Sendo caçados pelos meliantes, sem nenhum apoio ou reconhecimento da instituição e nem do Estado. As leis e direitos humanos só favorecem vagabundos. Respondemos a um código administrativo arcaico e ainda respondemos ao judiciário. Desmotiva qualquer um em sã consciência. Como arriscar a vida por um cidadão nestas condições? É essa pergunta que minha família me questiona diariamente – desabafa um policial, que prefere não se identificar.

O relato ganha eco em outros batalhões. O medo e a insatisfação são comuns a todos. Um dos ouvidos pela reportagem denuncia, por exemplo, que as condições de trabalho são tão precárias que, muitas vezes, falta combustível para as viaturas.

– Estamos com combustível racionado em apenas 20 litros por dia – denuncia outro policial, afirmando ainda que a comida também está racionada, que faltam materiais de escritório e que a “tropa está totalmente desmotivada e desacreditada”. 

Outro PM afirma que nem todos os policiais do 25°BPM.

– Falta alimentação. Faltam munições. Há coletes vencidos. A validade dos coletes que a Polícia Militar compra é de cinco anos. Grande parte deles está vencida. E, dentro da validade, não tem para todos. Alguns policiais ficam sem. A ordem é não pegar os vencidos. Alguns têm colete próprio e outros ficam sem colete mesmo. É um risco.

Munições também têm o mesmo problema de validade, como relata mais um policial:

– Nossa região não tem índice tão alto de conflitos como a capital. Então, não chegamos a sentir isso diretamente. Agora, em relação à eficácia da munição e manutenção de armamentos, não posso assegurar. A munição tem uma validade de aproximadamente seis meses, que é assegurada pelo fabricante. Após esse período, deve ser trocada. Não quer dizer necessariamente que ela se torne inoperante. Porém, falhas podem ocorrer. E, em nossa profissão, a falha de uma munição é algo preocupante. Pode custar a nossa vida, a vida de um companheiro ou mesmo a de um cidadão de bem. Tenho quase certeza que as munições já têm no mínimo dois anos – relata.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa da Folha dos Lagos deste fim de semana.