Assine Já
domingo, 20 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
rayzza

Caso Rayzza: delegado suspeita de estupro

Jorge Veloso acredita que crime teria sido cometido por um traficante

27 maio 2016 - 09h49
Caso Rayzza: delegado suspeita de estupro

A polícia caminha às cegas na investigação do assassinato de Rayzza Ribeiro, 21, encontrada esquartejada e carbonizada na segunda-feira, em São Pedro. O delegado responsável pelo caso, Jorge Veloso, afirma que não tem informações concretas sobre a identidade do assassino, mas que desconfia – apesar de não explicar o porquê – tratar-se de um traficante. A investigação já conduziu conversas com amigos e familiares da vítima, mas ainda não chegou a uma conclusão sobre a autoria do crime.

O que o titular da 125ª DP afirma, quase com certeza, é que Rayzza foi estuprada antes de ser morta.

– Hoje (ontem), depois de ouvir familiares e amigos, não tenho uma autoria, mas, pelo que está sendo narrado, a possibilidade de estupro é muito grande. Provavelmente o autor do crime é do tráfico local. Não temos nenhum suspeito ainda. A investigação dependerá das imagens que eventualmente vamos conseguir nas câmeras, na placa do carro que foi usado... A partir dessas premissas vamos chegar a alguém que pode apontar um suspeito – afirmou o delegado.

No último domingo, a aldeense Daiana Borges foi assassinada pelo namorado Rodrigo Alves a facadas, também em São Pedro. A Polícia Civil, no entanto, prendeu o acusado no dia seguinte. Os crimes ganharam repercussão nas redes sociais, e mulheres estão marcando manifestações em Cabo Frio e São Pedro para alertar as autoridades.

A presidente do Conselho Comunitário de Segurança (CCS), Patrícia Cardinot, ressaltou a importância das mobilizações na Região dos Lagos.

– É sempre triste, chocante, receber notícias como essas. Vejo a violência contra a mulher aumentando em nossa região. Embora tenhamos uma Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) muito atuante, sob o comando da Cláudia Faissal, a situação está muito complicada. Eu me coloco totalmente à disposição da organização dessas manifestações, que deveriam até ter mais divulgação. As mulheres precisam de união. Essa é a palavra. Se não houver união, as coisas só tendem a piorar. Com o baixo efetivo, o 25º BPM não vai fazer milagre. E não adianta falarmos de baixo efetivo se o governo está falido – afirmou ela, endossando mais ainda os movimentos das mulheres.

Com a repercussão do ‘mosaico dos sonhos despedaçados’, a capa da Folha com os rostos de mulheres mortas, o delegado da 126ª DP (Cabo Frio), Carlos Abreu, disse que a prioridade da sua gestão são os homicídios.

– A prioridade é homicídio. Tanto que reforçamos o setor. As carências existem, claro, mas estou aqui para gerenciar. No último balanço que fiz, no final de fevereiro, resolvemos 22 casos de homicídio e tentativa de homicídio. O fato que pesa nesses casos das mulheres é o ódio. É um crime de intolerância. Não é um crime de um matador profissional. É parte da cultura que estamos tendo. Essa questão está muito ligada à formação dessas pessoas – comentou o delegado.