Assine Já
terça, 19 de outubro de 2021
São Paulo
39ºmax
24ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
POLÍCIA

Caso Fabiane: Defesa de acusado diz que vai ao CNJ e corregedoria da Polícia Civil

18 dezembro 2019 - 17h32Por Redação

A defesa de Matheus Augusto da Silva – suspeito de ter matado em dezembro do ano passado, numa trilha em Arraial do Cabo, a turista catarinense Fabiane Fernandes –  vai entrar com representações no Conselho Nacional de Justiça e na Corregedoria da Polícia Civil, afirmou à Folha a advogada Marta Dias, por conta do que classifica como “graves inconsistências” na investigação e, também, nos trâmites processuais.

A defesa pediu recentemente a revogação da prisão preventiva de Matheus, o que foi negado pela Justiça. “O Ministério Público pugnou pelo indeferimento do pedido alegando que a defesa buscar discutir o mérito antecipadamente e que não existem fatos novos que alterem o contexto fático-jurídico até então demonstrado”, diz a decisão judicial, que, em outro trecho, aponta que Matheus saiu de Arraial “de forma suspeita, apresentando arranhões em seus antebraços”.

Sobre os arranhões, a advogada afirma que não foi feito exame de corpo e delito. “O Matheus não foi submetido a exame de corpo de delito. Um guarda municipal foi quem o tirou do local. Nesse momento, ele tirou uma foto do Matheus. Mas não há provas sobre essas marcas. É tudo uma especulação para não se revogar a prisão preventiva”, afirmou.

Fabiane Fernandes foi encontrada nua e com lesões na cabeça e pelo corpo. A polícia trabalhou com a hipótese de que ela foi estuprada antes do assassinato. Segundo a advogada de defesa, o exame de DNA foi “inconclusivo” e apontou que havia material genético masculino de apenas um homem na vítima. 

A advogada sustenta a tese de que não houve investigação suficiente sobre uma pessoa que estaria na companhia de Fabiane. 
A Folha entrou em contato com a Polícia Civil. Por meio de nota, a instituição disse que “o inquérito já foi relatado e enviado à Justiça”. Questionada sobre a suposta ausência de informações apuradas pelos investigadores nos autos do processo, afirmou que “agora o processo cabe à Justiça”.

A reportagem também entrou em contato com Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ), que enviou a seguinte nota: 

“As decisões e justificativas estão disponíveis para consulta na página do processo. Os magistrados não concedem entrevistas sobre processos que ainda estão em tramitação, de acordo com a Lei Orgânica da Magistratura. Sobre o inquérito e a investigação da Polícia Civil e do Ministério Público, o TJ não se manifesta, apenas atua quando provocado e sempre respeitando os devidos trâmites processuais”.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.