Assine Já
quarta, 20 de outubro de 2021
Região dos Lagos
19ºmax
16ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
SEGURANÇA PÚBLICA

Carnaval de Cabo Frio terá mais de 400 PMs por dia nas ruas

Número foi revelado durante balanço feito nesta terça (4) pelo comandante do 25º Batalhão

04 fevereiro 2020 - 20h06Por Rodrigo Branco

O comandante do 25º Batalhão, coronel Rodrigo Ibiapina, afirmou nesta terça-feira (4) que Cabo Frio terá 417 policiais militares por dia para fazer a segurança no município durante o Carnaval. O número foi revelado durante uma coletiva de imprensa organizada pelo Conselho Comunitário de Segurança de Cabo Frio. O efetivo destinado para o período de dez dias que engloba a folia, que será 28% maior do que o do ano passado, quando 324 agentes ficaram responsáveis, diariamente, pelo patrulhamento na cidade.

Para a região como um todo, o contingente não foi divulgado, uma vez que, segundo o comandante, nem todas as prefeituras divulgaram a programação. Embora Cabo Frio ainda não tenha feito isso oficialmente, a PM trabalha com a informação de que haverá um aumento de 30 para 49 blocos este ano e que os pontos de concentração serão na Praia do Forte, no Peró, em São Cristóvão e no segundo distrito.

O coronel destacou que, apesar de ainda haver tempo hábil para o planejamento, é preciso que os municípios divulguem suas programações o quanto antes para a PM. Uma reunião está marcada com a prefeitura cabofriense para saber da alteração na rota dos blocos que, este ano, vão voltar a desfilar na orla. O anúncio oficial da mudança ainda não foi feito.

– Operacionalmente, muda muita coisa (o desfile na orla). A gente está aguardando a prefeitura se manifestar sobre fechamento de vias. Vai ter novamente a saída do bloco do Costa Azul. Isso vai causar um transtorno ao trânsito, isso é fato. Quem mora aqui sabe disso, o congestionamento que se forma é grande, mas é um período festivo. A gente vai estar acompanhando. O que a gente não espera é que, de última hora, comecem a surgir vários eventos. Isso é humanamente impossível. A gente trabalha com uma organização e isso tem que ser planejado. Os eventos têm que ser previamente distribuídos para que a gente possa  se antecipar. À ‘queima-roupa’, a gente não consegue – afirmou.

Defesa do trabalho e redução nos índices

No encontro com os jornalistas, o coronel Ibiapina aproveitou para fazer um balanço dos meses em que está à frente da corporação. Ele criticou o que chamou de divulgação de ‘dados apocalípticos’ sobre a criminalidade e disse que os números apontam queda em todos os índices, entre eles homicídios e roubos, durante o segundo semestre do ano passado em relação ao mesmo período de 2018.

O comandante comentou ainda que as metas para janeiro foram alcançadas: em Cabo Frio, no primeiro mês do ano, foram registrados 24 homicídios e 117 roubos. Sobre os assaltos, no entanto, ele admite que possa haver subnotificação.

– Os roubos acontecem. A Polícia Militar se pauta pelos números e pelos locais onde eles são registrados para locar o policiamento. A gente sabe que persiste um grande número de pessoas que têm aparelhos eletrônicos e carteiras roubados e não registram. E esses números

continuam invisíveis. Mas aqueles que são registrados efetivamente, nós temos pleno conhecimento, trabalhamos em conjunto com a Polícia Civil e estamos, obviamente, trabalhando todo nosso policiamento com base nesses locais. E, mês após mês, a gente vê um a redução significativa no número de roubos – afirmou.

O comandante também aproveitou para elogiar o trabalho da tropa e defendê-la de críticas feitas nas redes sociais, especialmente após o assassinato de um empresário no centro da cidade, na semana passada. O coronel Ibiapina comentou que não vai mudar em nada o esquema de policiamento naquela área. Recentemente, a frota do batalhão recebeu o reforço de viaturas novas, o que, segundo ele, compensa a perda que houve ao longo do tempo no efetivo, atualmente de 850 policiais militares, sendo 565 efetivamente nas ruas.

– Foi um ponto fora da curva (o homicídio). Foi um crime premeditado, planejado. Se não acontecesse ali, com certeza, os criminosos estavam seguindo a vítima e iriam aguardar a melhor oportunidade para agir. A gente lamenta o que aconteceu. O policiamento está muito mais efetivo não só em Cabo Frio, mas em toda a Região dos Lagos. Apesar do número de policiais ter diminuído, a ostensividade proporcionada pelas novas viaturas é enorme. Estamos prendendo mais, apreendendo mais. Então, estou bem tranquilo em relação a isso. Não vou mudar a estratégia porque ali é a área mais policiada que nós temos – afirmou.

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.