Assine Já
sexta, 14 de agosto de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 5213 Óbitos: 304
Confirmados Óbitos
Araruama 846 62
Armação dos Búzios 384 9
Arraial do Cabo 132 12
Cabo Frio 1721 100
Iguaba Grande 420 26
São Pedro da Aldeia 796 44
Saquarema 914 51
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cadu

Cadu Playboy: Audiência marcada para próxima semana

Todos os réus serão ouvidos semana que vem e depois disso juiz pode dar sentença

05 agosto 2015 - 09h41
Cadu Playboy: Audiência marcada para próxima semana

O processo criminal que en­volve Carlos Eduardo Rocha Freire Barboza, o Cadu Playboy, acusado de ser um dos principais traficantes da Região dos Lagos, e de outros 25 réus pode estar próximo do fim. Duas audiên­cias que podem ser decisivas para o desfecho do caso estão marcadas para quinta e sexta-feira da semana que vem, na sede do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, na capital. Na ocasião, todos os acusados serão ouvidos pelo juiz, inclusive o pai de Cadu, o ex-presidente da Empresa Cabista de Desenvolvi­mento Urbano e Turismo (Eca­tur), Francisco Eduardo Freire Barboza, o Chico da Ecatur.

O caso corre em segredo de Justiça. Após os depoimentos da próxima semana, o juiz poderá dar a sentença. Cientes disso, os advogados de defesa de todos os réus entraram com um pedi­do de adiamento das audiências, sob a alegação de que não foram ouvidas todas as testemunhas, o que deve ser feito por meio de carta precatória, que é um recurso

 usado pelos magistrados para intimá-las e depois ouvi-las quando se encontram em locais de comarcas diferentes. No en­tanto, até o fechamento desta edição, o juiz ainda não tinha apreciado o pedido.

Em 24 de junho, a Folha publicou uma matéria segun­do a qual um perito teria sido contratado pela defesa de Cadu para tentar provar uma possível fraude na interceptação de con­versas telefônicas entre Cadu e seus comparsas, gravadas pela Polícia Federal e que, juntamen­te com provas testemunhais e outras levantadas pelo Núcleo de Inteligência da Polícia Civil, deram origem à denúncia do Mi­nistério Público (MPRJ) que ori­ginou 26 mandados de prisão. O profissional, cujo nome não foi revelado, chegou a ser ouvido pela Justiça na ocasião.

 

*Leia a matéria completa na edição desta quarta (5)