Assine Já
domingo, 09 de maio de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
17ºmin
http://www.alerj.rj.gov.br/
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 37366 Óbitos: 1428
Confirmados Óbitos
Araruama 9540 293
Armação dos Búzios 4618 57
Arraial do Cabo 1313 69
Cabo Frio 9865 521
Iguaba Grande 3740 92
São Pedro da Aldeia 5088 224
Saquarema 3202 172
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cadu

Cadu Playboy: Audiência marcada para próxima semana

Todos os réus serão ouvidos semana que vem e depois disso juiz pode dar sentença

05 agosto 2015 - 09h41
Cadu Playboy: Audiência marcada para próxima semana

O processo criminal que en­volve Carlos Eduardo Rocha Freire Barboza, o Cadu Playboy, acusado de ser um dos principais traficantes da Região dos Lagos, e de outros 25 réus pode estar próximo do fim. Duas audiên­cias que podem ser decisivas para o desfecho do caso estão marcadas para quinta e sexta-feira da semana que vem, na sede do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, na capital. Na ocasião, todos os acusados serão ouvidos pelo juiz, inclusive o pai de Cadu, o ex-presidente da Empresa Cabista de Desenvolvi­mento Urbano e Turismo (Eca­tur), Francisco Eduardo Freire Barboza, o Chico da Ecatur.

O caso corre em segredo de Justiça. Após os depoimentos da próxima semana, o juiz poderá dar a sentença. Cientes disso, os advogados de defesa de todos os réus entraram com um pedi­do de adiamento das audiências, sob a alegação de que não foram ouvidas todas as testemunhas, o que deve ser feito por meio de carta precatória, que é um recurso

 usado pelos magistrados para intimá-las e depois ouvi-las quando se encontram em locais de comarcas diferentes. No en­tanto, até o fechamento desta edição, o juiz ainda não tinha apreciado o pedido.

Em 24 de junho, a Folha publicou uma matéria segun­do a qual um perito teria sido contratado pela defesa de Cadu para tentar provar uma possível fraude na interceptação de con­versas telefônicas entre Cadu e seus comparsas, gravadas pela Polícia Federal e que, juntamen­te com provas testemunhais e outras levantadas pelo Núcleo de Inteligência da Polícia Civil, deram origem à denúncia do Mi­nistério Público (MPRJ) que ori­ginou 26 mandados de prisão. O profissional, cujo nome não foi revelado, chegou a ser ouvido pela Justiça na ocasião.

 

*Leia a matéria completa na edição desta quarta (5)