Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Rapper

Cabo Frio no fundo do poço: Taz Mureb é detida

Rapper e mais cinco ativistas são levadas para a DP em ação truculenta da Polícia Militar

19 agosto 2015 - 08h04

GABRIEL TINOCO, RODRIGO BRANCO E NICIA CARVALHO

 

            

A rapper Taz Mureb e mais cinco manifestantes foram pre­sos e agredidos na manhã de ontem na Praça Tiradentes, em frente à prefeitura de Cabo Frio, onde acampavam há 13 dias em protesto contra o não pagamento do Proedi (Programa Municipal de Editais de Fomento e Difusão Cultural). O pivô da confusão foi a utilização de uma piscina de plástico com uma placa onde estava escrito: “Riala, só voltou à ativa quando o prefeito voltou”.

Fiscais da Postura e guardas municipais foram mobilizados para cumprir ordem para retirar a piscina, mas, a partir daí, o clima ficou tenso, com discussões aca­loradas. Sem acordo, foi solicita­da a presença da Polícia Militar, que enviou cinco viaturas. Líder do movimento, Taz Mureb conti­nuou resistindo, mas o desfecho não foi nada agradável. Os PMs utilizaram da força bruta, mesmo com a rapper já rendida. Ao ser imobilizada, eis o diálogo:

– Não me encosta, me algema, mas não me encosta – gritava ela, numa demonstração de que não oferecia qualquer resistên­cia. Mesmo assim, recebeu um jato de spray de pimenta no ros­to: “Olha isso! Spray de pimenta na minha cara”, protestava (o ví­deo pode ser conferido no Face­book da Folha dos Lagos).

Um policial não identifica­do fez o seguinte o comentário: “Agora ela vai ficar calminha”.

A cantora foi levada para a UPA do Parque Burle, onde foi medicada e, em seguida, levada à 126ª DP (Cabo Frio) para pres­tar depoimento.

Taz Mureb prestou depoimen­to acompanhada pela família e por um advogado. Ela apresen­tava pele avermelhada e com a voz em tom alterado.

Depois, em sua página pes­soal no Facebook, Taz Mureb desabafou e disse que foi mal­tratada dentro da delegacia. “Jo­garam spray de pimenta no meu rosto. Tive duas convulsões e os policiais ficaram rindo da minha cara”, contou ela, na postagem.

Ao falar com a Folha a delega­da adotou postura cautelosa, mas disse que Taz “estava visivelmen­te alterada” e que “o uso de for­ça moderada pode ser necessária numa operação policial”.

– A Taz vai assinar um termo circunstancial, será autuada por desacato e vai ser liberada – de­clarou a titular da delegacia.

Além de Taz Mureb, mais cin­co manifestantes foram levados para a delegacia: Thiago Ayrton (conhecido como Kaykky Lima), Diogo Rodrigues, Otávio Au­gusto (o Feijão), Jordy Lorran e Paulo Henrique. Eles chegaram por volta das 12h e cinco deles só saíram por volta das 18h. Diogo ficou por mais tempo e só foi li­berado pouco depois das 19h30.Após ser liberada, Taz foi ao 25º BPM (Cabo Frio) prestar queixa contra os policiais militares.

A professora Maria do Rosá­rio Mureb, a Zarinho Mureb, tia de Taz, ficou indignada com o episódio, informando ainda que o telefone da sobrinha teria fica­do apreendido na delegacia.

– A Taz não é bandida e não estava armada. A gente lutou muito para acabar com a Ditadu­ra para, hoje, policiais jogarem spray de pimenta na cara de uma moça. É um movimento legíti­mo. Uma manifestação cultural pacífica – reclamou.

O presidente da subseção de Cabo Frio da Ordem dos Advo­gados do Brasil (OAB), Einse­nhower Dias Mariano, ao ver o vídeo do momento da prisão de Taz Mureb, considerou a ação da polícia “um absurdo”: “Con­vocarei a comissão de direitos humanos para uma visita para a delegacia”, afirmou ele.

 

Diogo Rodrigues: “fui agredido por um policial dentro da delegacia”

 

Não bastasse a ação truculen­ta da PM no momento da prisão dos ativistas, ainda no centro da cidade, os seis artistas que foram parar na 126ª DP (Cabo Frio) re­clamaram do tratamento recebi­do lá. O mais incisivo nas crí­ticas foi Diogo Rodrigues, que vende poesia na rua. Ele afirma que foi espancado por um poli­cial civil dentro da delegacia.

– Quando a gente foi detido eu estava nu, junto com os outros. Aí eu falei para o único menor que estava lá na delegacia: “sai daqui, você não precisa prestar depoimento”. Neste momento, um policial civil montou em cima de mim, irritado, e come­çou a chutar as minhas costas. Ele também deu socos. Aí ele perguntou o que eu estava fazen­do ali e eu dei a resposta óbvia: “apanhando” – contou Diogo, na porta da delegacia, após ser libe­rado, enquanto exibia as marcas da agressão. Segundo ele, foram necessários cinco policiais mili­tares para conter o agressor.

Taz Mureb e Diogo Rodrigues se abraçam na delegacia

 

A versão dele é confirmada pelo músico Otávio Augusto, o Feijão, que afirma ter presencia­do a cena de violência. “O cara estava transtornado, bateu nele e tacou o revólver no chão de raiva. Ele ainda disse: “eu sou trabalhador, estou acordado há 48 horas e não vou tolerar des­respeito. Eu te bato porque não vai acontecer nada”, contou ele.

A rapper Taz Mureb, por sua vez, disse que houve negligência em relação ao seu estado de saú­de, após ter recebido um jato de spray de pimenta no rosto.

– Tomei uma ducha na solitá­ria junto com um preso homem, que estava de costas. Meu olho estava em carne viva. Eles fa­lavam: “Ninguém nunca morreu com spray de pi­menta” – relatou.

A Folha buscou explicações com o responsável por co­lher os depoimen­tos, mas este afirmou que só a delegada Flávia Monteiro po­deria responder pelo caso. Ela, no en­tanto, estava em uma reunião e não pôde falar.