Assine Já
sábado, 19 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
baixas

Baixas por aposentadoria no batalhão da PM preocupam comandante

Tenente-coronel André Henrique pede reposição, mas Estado ainda não convocou 4 mil aprovados no concurso de 2014

26 julho 2017 - 09h16Por Texto: Rodrigo Branco | Foto: Arquivo Folha
Baixas por aposentadoria no batalhão da PM preocupam comandante

Além de lidarem com o atraso dos salários por causa da crise financeira do Estado, os poli­ciais militares têm sido obriga­dos a se desdobrar para dar con­ta de combater a criminalidade e arriscar a vida por isso. Tudo porque, em todos os batalhões fluminenses, a evasão nos últi­mos dois anos foi de 2 mil po­liciais. E não houve reposição para essa perda. Para se ter uma ideia do déficit, até hoje, quatro mil aprovados no concurso de 2014 não foram convocados.

No 25º BPM, que cuida das sete cidades da Região dos La­gos e tem cerca de 820 homens, são 46 policiais a menos en­tre 2016 (31) e 2017 (15, até o momento). O comandante da unidade, tenente-coronel André Henrique de Oliveira afirma que os desfalques são normais por conta das aposentadorias, mas pede a reposição na tropa.

– Quanto à reposição, a cor­poração tem que falar porque é uma questão estratégica. Essa perda é normal porque o policial cumpriu 30 anos e tem garanti­do o seu direito a se aposentar. A cada ano a gente vem perden­do cada vez mais policiais por causa disso. E esse contingente precisa ser recomposto porque o número de policiais diminui enquanto a população da região aumenta– afirma o comandante.

A matemática desfavorável dificulta o trabalho e expõe as mazelas do Estado na área de se­gurança pública. Por outro lado, a violência que assusta a socie­dade como um todo, também assusta quem luta para com­batê-la. Não só assusta, como mata. Somente esse ano, foram 91 policiais militares mortos em serviço ou fora dele. Há uma semana, durante o enterro do soldado Thiago Marzula, o co­mandante-geral da PM, coronel Wolney Dias Ferreira chegou a pedir prisão perpétua para as­sassinos de policiais. Um colega de farda que pediu para não ser identificado falou com indigna­ção da situação e cobrou o endu­recimento da legislação.

– O que o nosso país precisa é de penas duras e severas, para que os bandidos tenham medo e pensem mil vezes antes de puxar o gatilho e matar um trabalhador ou uma criança inocente. A vida do policial é sagrada como a vida de qualquer pessoa de bem. Mas para isso a cúpula da segu­rança precisa pressionar os par­lamentares, pois só eles podem mudar essa situação – desabafou o militar.

O comandante do 25º BPM atribuiu à crise no governo es­tadual a situação de vulnerabili­dade dos profissionais. Ele disse ainda que o tráfico de drogas é o principal problema a ser com­batido, sobretudo prevenindo o consumo.

– A gente vê a crise econômi­ca vem afetando toda a cadeia criminosa. Hoje vemos gente roubando celular com pistola 9 mm, o que não acontecia antes. Estamos prendendo muito, mas tem que pensar muito bem na questão da prevenção que é o que fomenta toda essa máquina. Se tem consumidor, tem droga, tem arma e acabam acontecen­do as mortes – explica.