Assine Já
sexta, 18 de junho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 42971 Óbitos: 1659
Confirmados Óbitos
Araruama 10577 334
Armação dos Búzios 5176 57
Arraial do Cabo 1486 82
Cabo Frio 11408 615
Iguaba Grande 4427 107
São Pedro da Aldeia 5868 254
Saquarema 4029 210
Últimas notícias sobre a COVID-19
arma

Ativista social é baleado próximo ao Ginásio Poliesportivo Aracy Machado, no Itajuru

Vítima não soube identificar o autor dos disparos

17 junho 2015 - 15h05
Ativista social é baleado próximo ao Ginásio Poliesportivo Aracy Machado, no Itajuru

Alex Vinicius Martins da Silva, 29 anos, foi baleado na noite desta terça-feira em frente ao Ginásio Poliesportivo Aracy Machado, próximo a uma lanchonete, no Itajuru. Idealizador do projeto 'Minha Favela Querida', que tem como objetivo promover a reeducação social através da arte, Alex foi levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Parque Burle. Ele passa bem. O disparo teria atingido a região abdominal, não perfurando nenhum órgão vital. Alex não soube dar aos policiais nenhuma informação sobre o autor dos disparos, que teriam sido feitos por um homem dentro de um carro. O crime foi registrado na 126ª DP como tentativa de homicídio.

"Um amigo esteve com no hospital e conseguiu ouvir a voz dele. Ele disse para todos ficarem tranquilos, pois está bem", disse uma pessoa próxima à vítima.

No início de abril, o ‘Minha Favela Querida’ realizou no Itajuru o evento ‘A Tenda da Cultura’, que reuniu diversas atrações musicais, além de intervenção com grafite para tampar as pichações de facções. Na época, Alex deu entrevista à Folha e disse que sonhava transformar o Itajuru em favela modelo.

“Queremos que o Itajuru seja um exemplo para as favelas do Brasil. Essa transformação vem dos próprios moradores. O governo é ausente, sim, mas não podemos ficar esperando o tempo todo. Temos de agir. E até dando boas ideias ao próprio governo. Acreditamos que, se nos tornamos um bom exemplo, muitas outras comunidades podem seguir o mesmo caminho", afirmou.

No ano passado, o projeto retirou as pichações de facções no entorno do Aracy Machado. "Queremos trabalhar a reeducação social, sempre pensando no objetivo maior: o fim da guerra de facções", disse.