Assine Já
quinta, 01 de outubro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8438 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1675 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 256 15
Cabo Frio 2775 149
Iguaba Grande 699 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
Polícia

Acusado de matar policial militar diz que atirou para se defender

Após o crime, “Nandinho” jogou a arma no canal

09 outubro 2015 - 09h36Por Fernanda Carriço

A delegada titular da 126°DP, Flávia Monteiro, foi à 71°DP, em Itaboraí, na noite de quarta-feira (7), interrogar o assassino con­fesso do PM Ronaldo Ferreira, Fernando Santos Catarina, 25, conhecido como ‘Nandinho do Valão’. Segundo ela, o homem relatou com frieza detalhes o que aconteceu na fatídica ma­drugada de domingo, em fren­te a um churrasquinho da Ézio Cardoso da Fonseca, no Jardim Esperança, Cabo Frio.

– Fernando disse que estava armado porque já fez parte de uma facção criminosa e que era perseguido e, no que o policial viu a arma, teria disparado contra ele. Para se defender, ele efetuou 4 disparos. Ele disse ainda que dispensou a arma no Canal do Itajuru e que estaria arrependido pelo fato de Ronaldo ser policial, o que mostra que não se arrepen­deu por ter tirado uma vida.

A rapidez para a elucidação do caso também foi destaca­da pela policial civil. Flávia Monteiro informou que rece­beu muitos telefonemas que davam pistas sobre o paradeiro de Fernando e acredita que isto só seja possível porque a popu­lação da cidade não se rende à criminalidade.

– A elucidação do caso foi de suma importância tanto para Po­lícia Civil quanto para a Militar. Eu quero agradecer a todas as pessoas que acreditaram no tra­balho da polícia. Meu gabinete está sempre de portas abertas à população – finalizou.

Fernando Santos Catarina foi transferido da Delegacia de Ita­boraí para o Complexo Peniten­ciário de Bangu. Já o adolescen­te acusado de dirigir a moto que trazia o atirador no carona foi encaminhado para uma institui­ção socioeducativa por determi­nação da Justiça, através da Vara da Infância e Juventude.