Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
viuva da mega sena

20 anos de prisão é a sentença da 'Viúva da Mega Sena'

Juiz decretou imediatamente a prisão preventiva de Adriana

16 dezembro 2016 - 09h25
20 anos de prisão é a sentença da 'Viúva da Mega Sena'

Depois de três dias de julgamento, na noite desta quinta-feira saiu a sentença de Adriana Ferreira de Almeida, mais conhecida como 'viúva da Mega-Sena'. Ela foi condenada a 20 anos de prisão pela morte do ex-marido, Renné Senna. O juiz Pedro Amorim Gotlib Pilderwasser decretou a prisão preventiva da ex-cabelereira imediatamente. Ele justificou o ato afirmando que a Justiça teve dificuldades em localizar a ré em tentativas de intimações anteriores e, por isso, ela não pode recorrer da sentença em liberdade. 

No julgamento, que aconteceu no Fórum de Rio Bonito, Adriana foi condenada por homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe e quando não há chance de defesa - vale ressaltar que Renne era cadeirante. Ela foi considerada a mandante do crime que aconteceu em 2007. A sentença foi proferida pelo II Tribunal do Júri da cidade. 

Em 2011, Adriana chegou a ser absolvida, mas em 2014 o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro julgou recurso do Ministério Público Estadual e resolveu por um novo julgamento. 

Em 2005, Renné ganhou um prêmio de 52 milhões de reais na Mega-Sena. Ele casou com Adriana depois do prêmio, em 2006. Ele e Adriana moravam em um sítio avaliado na época em 9 milhões. Em 2007, quando estava em um bar na cidade de Rio Bonito, foi assassinado. Sete pessoas, incluindo Adriana, foram acusadas de envolvimento no crime: Adriana, a professora de educação física Janaína Oliveira, o motorista de van Robson de Andrade Oliveira e os ex-seguranças Ednei Gonçalves Pereira, Marco Antonio Vicente, Ronaldo Amaral e Anderson Souza. Teria sido Anderson o autor dos disparos que mataram o milionário. Até então, só Adriana respondia em liberdade.