Assine Já
segunda, 26 de outubro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9419 Óbitos: 486
Confirmados Óbitos
Araruama 1914 111
Armação dos Búzios 582 10
Arraial do Cabo 298 15
Cabo Frio 3084 168
Iguaba Grande 826 38
São Pedro da Aldeia 1456 71
Saquarema 1259 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
protestos

Últimos protestos de Cabo Frio reescrevem a sina de uma cidade partida

30 maio 2014 - 14h21
Que a democracia se manifeste: alguém tem que fazer um protesto contra os últimos protestos em Cabo Frio. Sim, ir às ruas é legítimo, manifestar-se contra a insegurança é um dever cívico e lutar por direitos é mais do que necessário. Entretanto, as duas últimas manifestações reescrevem antiga sina cabofriense: a polarização entre dois grupos políticos antagônicos.
A primeira, no último dia 16, foi visivelmente domesticada pelo governo municipal e por um possível candidato a deputado federal. Já a de ontem (29), com muito menos adesão do que a anterior, tinha o objetivo de jogar na linha oposta, repetindo o raciocínio binário do ‘eles’ contra ‘nós’.
No final, perdem todos. É esquecido que segurança não é só questão de polícia. É, acima de tudo, resultado da ausência do estado na periferia, da escassez de políticas públicas e do uso do poder da máquina como massa de manobra. Portanto, é problema da prefeitura, sim – desta gestão e das anteriores. É problema da Câmara de Vereadores, sim – desta e das anteriores.  
Enquanto a Copa não vem, o que assistimos é um FlaxFlu, um BrasilxArgentina sem vencedor. Estes protestos estão muito distantes daqueles de junho do ano passado. São manifestações de uma Cabo Frio partida, ainda, entre Liras e Jagunços.