Assine Já
quinta, 04 de março de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 27159 Óbitos: 934
Confirmados Óbitos
Araruama 6957 183
Armação dos Búzios 3253 32
Arraial do Cabo 865 38
Cabo Frio 7495 359
Iguaba Grande 2563 58
São Pedro da Aldeia 3575 130
Saquarema 2451 134
Últimas notícias sobre a COVID-19
Taz Mureb

Taz Mureb acusa Prefeitura de Cabo Frio de perseguição

Rapper afirma ter recebido intimação da secretaria de Meio Ambiente por poluição sonora

21 outubro 2015 - 09h28

A rapper Taz Mureb, uma das organizadoras da Roda Cultural que acontece desde 2011 na Pra­ça da Bandeira, acusa a Prefeitu­ra de Cabo Frio de perseguição política. Segundo ela, um fiscal da secretaria de Meio Ambien­te levou uma intimação na casa da tia dela para que a rapper comparecesse à secretaria para responder por poluição sonora – por conta da Roda Cultural. Como a artista mora em Niterói há dois meses, a intimação não foi recebida oficialmente.

– É claro que é perseguição política, ninguém foi lá medir os decibéis. Temos o nada opor das secretaria de Cultura, da Postura e da Polícia. São só duas caixi­nhas de som e acabamos às 22h. Até o coronel Ruy França esteve aqui no mês de agosto e disse que o som não dava para ouvir do outro quarteirão. Os shows do Espaço de Eventos a gente escuta até no centro da cidade. Aí pode? – questiona Taz.

A próxima Roda Cultural está marcada para o próximo dia 27, às 19h. Segundo Taz Mureb, o evento é um movimento socio­cultural, sem cunho político, e que reúne jovens de diversas áreas da cidade. A cada edição, cerca de 200 pessoas participam.

– Já não basta a prefeitura não ajudar em nada? Não ter nem um evento voltado para a cultura urbana? Ainda tenta de todas as formas boicotar e dificultar um movimento totalmente legítimo.

Em agosto, a rapper promo­veu um acampamento em frente à prefeitura por conta do atraso do repasse do Proedi – Programa Municipal de Editais de Fomen­to e Difusão Cultural. O movi­mento intitulado #OcupaPrefei­tura durou 13 dias e acabou com os manifestantes na Delegacia, após um tumultuo entre policiais militares e eles, após a polícia tentar recolher uma piscina plás­tica que simbolizava o Parque Aquático do prefeito Alair Cor­rêa, o Riala.

 

QUEM ASSINA a Folha sabe mais. Clique aqui e assine agora mesmo por apenas R$ 19,90 ao mês.