Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
19ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7914 Óbitos: 414
Confirmados Óbitos
Araruama 1580 102
Armação dos Búzios 474 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
cultural

​Por um turismo cultural: conservar o quê, por quê e para quem?

07 outubro 2017 - 12h29

POR IVO BARRETO

Desde pelo menos meados da década de 1970, o conceito de “Patrimônio Histórico e Artístico” vem se flexibilizando nas trincheiras da política de preservação, por influência da antropologia e outros estudos do período. Antes disso, por décadas foram reconhecidos como “patrimônio” testemunhos da história dita oficial, supostamente compartilhada por todos. Entretanto, como hoje sabemos, escolhas estas com a marca de seu tempo, e, via e regra, ligada à história dos “vencedores”. Multiplicaram-se, neste tempo, as fortificações e igrejas dentre os bens tombados pelo “Patrimônio”.

A justa reivindicação de que outras histórias precisam ser contadas, de camadas apartadas destes relatos oficiais, deslocou, enfim, o conceito do “Histórico e Artístico”, substituindo-o pela ideia de “Patrimônio Cultural”. Admitiu-se, com isso, que também o fazer cultural do povo direcionasse a conduta de interpretação de nossas heranças, convocando o patrimônio a se relacionar com nossas vivências mais cotidianas, com a diversidade cultural que nos faz sociedade. Surgem, então, tombamentos mais contemporâneos, a exemplo da Casa da Flor, em São Pedro da Aldeia, que declama um relato de resistência e resiliência: construída dos descartes da história, ajuda a contar, numa linguagem artística indescritível e poeticamente tocante, pelo que passaram negros e pobres da região, a partir da abolição.

Bom, você deve estar se questionando, o que fazemos então com as fortificações e igrejas, teriam elas perdido sua importância? Obviamente não. As cidades, como organismos vivos, estão em eterna transformação e as heranças estão aí, diversas, prontas à nossa leitura. Mas nos perguntemos: tal qual se apresentam, que história estes bens ajudam a contar ainda hoje, senão a mesma e parcial retórica dos vitoriosos?

Não só de Menalaus e Vespúcios vive nossa história. É preciso buscar o que há de mais humano nas memórias de nossos acervos patrimoniais, recuperar os laços que provocam o diálogo com os sujeitos de hoje e suas questões de vida. Questioná-los por respostas. “Quantas mãos indígenas do aldeamento que aqui existia empilharam as pedras do Forte? Quem eram eles?”. Como ouvi certa vez do africanólogo Alberto da Costa e Silva, sobre palavras do escritor nigeriano Chinua Achebe, “a história não é boa nem má; a história é, e nós somos esta história com seus momentos luminosos e demorados e terríveis pesadelos”. É preciso adentrar este tipo questionamento na busca pelo sinal de humanidade destes acervos.

Conservar estes patrimônios na contemporaneidade – e por consequência, desejar um turismo cultural que seja construtor de reflexões sobre nossa condição humana – não se resume, portanto, a restaurar a matéria. Para além de algumas demãos de cal em paredes antigas, há que se conservar estes laços afetivos efetivos, só que para acessá-los é preciso educar. Mas não falo aqui de “ensinar”, falo de “educar”, ação que como quer Paulo Freire, exige um caminho de mão dupla, dialógico: falar e, sobretudo, escutar e aprender com o outro. E convenhamos, amigo leitor, assistimos pouco, ou nenhum, esforço dos gestores em implantar uma rotina institucional de escuta.

Se na política ou na gestão já não há lugar para monólogos, é preciso exigir diálogo também da conservação de nossa memória.

*Ivo Barreto é arquiteto, especialista em Patrimônio Cultural e mestrando em Projeto e Patrimônio.