Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
20ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
cabo frio

No dia das eleições

28 outubro 2014 - 10h53

No dia das eleições, a história de Cabo Frio, prestes a completar 400 anos, foi mais uma vez manchada pela anarquia da violência. No dia das eleições, símbolo vital de nossa democracia, o mais básico direito de ir e vir foi suprimido pela força do poder paralelo, que cuspiu com fogo a ira diante da morte de quatro de seus integrantes. No dia das eleições, dois foram os assuntos predominantes na cidade: a vitória de Dilma Rousseff (PT) e Luiz Fernando Pezão (PMDB) e a derrota desastrosa da política de segurança pública, constatação inegável quando observamos uma cidade – outrora conhecida pela paz e tranquilidade – tomada pelo sentimento de angústia e apreensão.

Foi um domingo de sol e chuva, de alegrias e tristezas, de certezas e incertezas, de construção e destruição. É verdade que foram raros os momentos em que a voz do povo esteve tão dividida e dissonante. Entretanto, soberana, ela elegeu as próximas lideranças que têm em mãos o desafio de construção de um futuro digno, de menos incertezas do que certezas, de mais alegrias do que tristezas.  É o desafio de um futuro límpido, menos nublado, um futuro de harmonia, de paz e tranquilidade.

No entanto, no dia das eleições, Cabo Frio se distanciou de seu passado, vivenciou a crueldade do seu presente e, com as previsões mais desgostosas, experimentou a desilusão com o seu futuro. Nas urnas, elegemos nossos representantes. Mas a ineficiência do estado, governado por nossos representantes, é que abre fronteiras para o poder oculto da criminalidade. As cenas se repetem. Em fevereiro deste ano, Cabo Frio também amargou o caos com manifestações na Boca do Mato, Monte Alegre, Porto do Carro e Jardim Experança, que tiveram início com a morte de uma menina de um ano e meio durante operação policial. As cenas se repetem: mais uma vez, ônibus são queimados, levando aos céus a negra fumaça da desesperança. Habemus medo.

É o sinal claro de que as periferias padecem com o abandono dos governantes, que, não raro, olham para estes lugares com a nefasta sazonalidade de quatro anos. A deficiência na segurança pública não é problema apenas do governo de estado. É um equívoco institucionalizado em todas as esferas: municipal, estadual, federal. Ainda vivemos dias de faroeste, em que cada vez mais parece prevalecer o olho por olho, dente por dente. No entanto, novos criminosos continuarão a surgir na esteira de áreas entregues ao descaso, com investimentos pífios em qualidade de vida, saúde, educação, cultura. Segurança pública não é questão de polícia, apenas. É questão social, sobretudo.

Em Cabo Frio, especificamente, justificativa simplória seria argumentar que este é o resultado da migração de criminosos de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Trata-se de um engodo, uma tentativa de eximir a culpa de um processo de desenvolvimento questionável. Somos, assim como o Rio, uma cidade partida, conforme expressão eternizada pelo jornalista Zuenir Ventura. Estamos partidos entre a cidade-espetáculo, a orla do Boulevard Canal, a Praia do Forte, cujas belezas naturais encantam os turistas, e a cidade-tragédia, cujas chamas da violência desencantam os cabofrienses. Na noite das eleições, fomos dormir com medo – ao som dos trovões e da chuva no fim da noite.

 Que os eleitos tragam previsão de dias melhores.

 *Rodrigo Cabral - Diretor da Folha dos Lagos