Assine Já
sábado, 25 de setembro de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
17ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51256 Óbitos: 2089
Confirmados Óbitos
Araruama 12211 437
Armação dos Búzios 6305 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14244 839
Iguaba Grande 5384 138
São Pedro da Aldeia 6892 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Folha dos Lagos

Folha dos Lagos entrevista Sérgio Eiras, presidente do Procon-RJ

De acordo com ele, “o brasileiro está mais consciente dos seus direitos”

22 setembro 2015 - 10h19

Mais do que repercussão na­cional, o incidente ocorrido com a servidora barrada na entrada da agência da Caixa Econômi­ca do Centro, há uma semana, é simbólico de um novo momento nas relações de consumo no Bra­sil, onde os cidadãos estão mais conscientes dos seus direitos. A pedra fundamental, na opinião do presidente da autarquia, é o Código de Defesa do Consumi­dor que completou 25 anos re­centemente: “Foi um divisor de águas”, afirma.

Folha dos Lagos – Por que o Procon resolveu notificar a Caixa Econômica no caso da senhora barrada na agência de Cabo Frio?

Sérgio Eiras – O Procon-RJ, dadas as comprovações que che­garam ao seu conhecimento, entendeu por bem representar contra a instituição financeira. O Procon-RJ entende que tem o dever de proteger a dignidade da consumidora e que o fato ocorri­do a expôs vexatoriamente.

Folha – O que representa o Código de Defesa do Consumi­dor para a mudança da relação entre consumidores e empresas?

Eiras – O CDC é um divisor de águas na construção da cida­dania. Há 25 anos o Código de Defesa do Consumidor repre­senta o rompimento com um de­sequilíbrio histórico nas relações entre o fornecedor e o consumi­dor em uma sociedade de massa. Antes, a preocupação era prote­ger o comerciante, renegando o consumidor a um segundo pla­no. O Código de Defesa do Con­sumidor, construído pelo clamor social de um pais em processo de redemocratização, trouxe um equilíbrio a essa relação há mui­to desequilibrada e que afastava o brasileiro da cidadania.

Folha – Ainda assim, são frequentes os abusos como no caso da Caixa. O que falta para que isso mude?

Eiras – É fundamental enten­dermos que o Direito é constru­ído todos os dias. Na sociedade, não é raro encontrarmos abusos. O Procon-RJ acredita que a so­lução para coibir esses abusos está na informação, na formação, no exercício e na fiscalização. A informação de seus direitos, as­sociada à formação de gerações conscientes e transformadoras da realidade social porque os exercem e a fiscalização pelo Es­tado, garantindo a conduta reta e adequada na relação consumidor-fornecedor, constitui o pavimen­to do caminho da cidadania.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta terça-feira (22)