Assine Já
quinta, 24 de setembro de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
editor

Folha ao Vivo: Filipe Rangel fala sobre racismo

Editor chefe do jornal Folha dos Lagos falou sobre a sua coluna "Não somos Maju"

13 julho 2015 - 15h30

As recentes ofensas sofridas pela jornalista Maria Júlia Coutinho, conhecida como Maju, responsável por apresentar a previsão do tempo no Jornal Nacional, trouxe à tona uma velha discussão para os brasileiros: o racismo. Em entrevista no Folha ao Vivo, Filipe Rangel, o editor chefe do jornal Folha dos Lagos, que teve a coluna “Não Somos Maju” como tema na rede municipal de ensino. Filipe falou sobre o tema e comentou sobre como o racismo acontece todos os dias, mas com pessoas anônimas e não recebem a devida atenção.

– A coluna defende que a população é tomada por uma comoção do momento. O Brasil é um país racista e isso precisa ser discutida de uma forma madura, não no fogo do momento. Eu quis falar justamente sobre a falta de atenção do racismo sofrido pelas pessoas que não são conhecidas. Durante a campanha “Somos todos Maju” as pessoas falavam que era um absurdo uma pessoa que se formou e trabalha sofrer racismo. Racismo é um absurdo independente da formação que as pessoas tiveram – diz.

O país que tem a maioria da sua população negra, 51%, mostra uma realidade diferente. Na prática, a população negra, assim como as mulheres, é tratada como minoria. Para Filipe, essa relação fica clara no modo em que a mídia mostra a população negra.

– No Brasil a questão do racismo transita em um estado ambivalente onde os negros, que são a maioria, são tratados como a minoria na representatividade econômica e social. Você liga em uma novela da Globo e isso fica claro no momento em que os negros são representados em papeis periféricos. A partir do momento em que os negros começam a ter uma posição de destaque, como é o caso da Maju, os mais conservadores se sentem incomodados – afirma.

Filipe falou sobre as dificuldades enfrentadas pelos negros, mas falou que os comportamentos das pessoas mudam de acordo com a classe social. Segundo ele, esses recortes servem para maquiar os problemas de racismo enfrentados no Brasil.

– A invisibilidade social acontece, mas é preciso entender o porquê disso acontecer. Um negro de classe média, que estuda em bons colégios, também passa por dificuldades, mas com certeza é diferente daquele que mora em uma favela. Isso faz com que as pessoas desacreditem e equalizem a sociedade de uma maneira forjada. Eu tenho poucos casos de racismo na minha vida, mas tenho certeza que seria diferente se eu morasse no Jacaré, por exemplo – completou.