Assine Já
terça, 27 de julho de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
15ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 45921 Óbitos: 1853
Confirmados Óbitos
Araruama 11325 353
Armação dos Búzios 5456 57
Arraial do Cabo 1564 87
Cabo Frio 12520 751
Iguaba Grande 4746 114
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4166 218
Últimas notícias sobre a COVID-19
adriano moreno

EDITORIAL | A política inócua de Adriano

A realidade é – e sempre é! – mais complexa. Seis meses e meio de governo descortinam a verdadeira identidade política de Adriano. Que é, na verdade, a absoluta falta de identidade

08 fevereiro 2019 - 09h54
EDITORIAL | A política inócua de Adriano

Por Rodrigo Cabral

Eles estão na política, mas dizem que não são políticos. A retórica tornou-se praxe entre quem faz da desesperança alheia o alimento de estratégias eleitorais. Adriano Moreno (Rede) se valeu deste expediente durante a campanha. Foi discurso eficaz. Captou bem o momento de Cabo Frio, que vivia duas crises.

De um lado, havia a crise financeira. Greves, atrasos salariais, protestos. De outro, a moral: pela primeira vez na história, um prefeito da cidade – Marquinho Mendes – fora afastado do cargo, tendo de ser convocadas eleições suplementares. Soma-se a isso a rejeição gritante com a qual Alair Corrêa, antecessor de Marquinho, deixara o cargo pouco antes.

As pessoas estavam fartas de políticos tradicionais. E Adriano estava ali para dizer o que muitos queriam escutar. E disse aqui, disse acolá, repetiu aqui, repetiu ali. Era o mantra oficial do candidato onde quer que estivesse: encontros, debates, entrevistas e caminhadas. Estaria falando a verdade?

Em partes. A realidade é – e sempre é! – mais complexa. Seis meses e meio de governo descortinam a verdadeira identidade política de Adriano. Que é, na verdade, a absoluta falta de identidade.

Em certos momentos, ao contrário do que apregoava, Adriano veste o traje mofado de um mandatário ultrapassado e caricato. Foi assim quando, em entrevista no programa Amaury Valério, na Rádio Ondas, creditou as denúncias sobre o Hospital da Mulher a ações orquestradas por pessoas que desejam desestabilizar a sua gestão. Quantas e quantas vezes já não ouvimos esse mesmíssimo clichê?

Aliás, Adriano, que em Cabo Frio caminhou na campanha para o governo do estado lado a lado com Eduardo Paes (DEM) – associado, veja só, por parte do eleitorado à velha política praticada pelos antigos correligionários do MDB –, poderia tirar, ao menos, uma lição do ex-prefeito do Rio: o timing para responder a questões vitais ao governo. Logo ele, um médico, demorou demais para se pronunciar sobre a situação da Saúde. Quando respondeu, respondeu mal.

E, quando permanece o silêncio, fica pior ainda. Afinal, o que o médico Adriano diz sobre o posicionamento da direção do Hospital da Mulher, que soltou nota bizarra atribuindo as mortes de bebês na unidade a “ausência de pré-natal, doenças sexualmente transmissíveis contraídas pelas genitoras e consumo de substâncias entorpecentes”?

Além do mais, é justo jogar o erro no colo da Coordenadoria de Comunicação?  A Folha não tem procuração para defender o coordenador Jorge Queiroz, mas é claro que, se soubessem do teor da nota, os jornalistas da Prefeitura teriam agido para impedir a divulgação naqueles termos esdrúxulos. A corda, porém, tende sempre a arrebentar do lado mais fraco.

A imagem que se tem é a de um prefeito de gabinete, que enxerga com os olhos de terceiros e escuta com ouvidos de outros. Por essas e outras que a fatídica foto com um bueiro nas mãos pegou tão mal. 

Cheirou a hipocrisia.

Ao mesmo tempo, Adriano padece por conta da falta de pulso e assertividade. É como se desse de ombros para o poder. A busca da serenidade e do diálogo como formas democráticas de se governar não podem ser desculpa para o esfalecimento do seu comando. A inabilidade para as articulações causa a descoordenação motora entre o primeiro escalão. Causa, o que é pior, vácuos de liderança, de onde nascem secretários superlativos, que passam a exercer o poder que dispensa. 

Adriano precisa se lembrar que, ao agir desta forma, não apenas enfraquece o mandato que lhe foi confiado pelos eleitores, mas entrega o município a ilustres desconhecidos, que se tornam barões em terra sem rei.

Já vimos um trailer desse filme nas eleições. Após ter anunciado Cristiane Fernandes como vice-prefeita, Adriano voltou atrás poucos dias depois. Ela não deixou barato: desabafou na internet (“não aceito ser tratada como um sapato velho”) e lançou candidatura. Teve, também, o descompasso com o PDT. Como demorou demais para trocar alianças com os pedetistas, Adriano acabou perdendo o apoio do partido do então deputado estadual Janio Mendes. Numa tentativa desesperada de reatar o namoro, ele chegou a ir à Alerj pedir desculpas a Janio. Mas aí foi “beijinho no ombro”: Rafael Peçanha foi o candidato da sigla – e deu trabalho.

Se deseja que o governo saia da inocuidade para o protagonismo, Adriano precisa aprender que não há outro caminho senão a política. A política de verdade; não aquela adormecida no discurso pronto e na negação de fatos, muito menos a da gestão insossa, tímida, perdida. Nas palavras de Marina Silva, expoente de seu partido (Rede): “Esta política de negar a politica, para mim, é a pior política”. O tempo urge. E 2020 está logo ali.