Assine Já
terça, 29 de setembro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8382 Óbitos: 435
Confirmados Óbitos
Araruama 1653 103
Armação dos Búzios 495 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2765 149
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
alair correa

As cicatrizes da cidade partida

24 junho 2015 - 14h28Por Rodrigo Cabral

RODRIGO CABRAL

Enquanto avançam a toque de caixa os desacertos do governo cabofriense, a cicatriz deixada por uma cidade partida fica cada vez mais latente.  Não me refiro à dualidade entre morro e o asfalto, como fez o jornalista Zuenir Ventura em clássica análise sobre os problemas urbanos da capital do estado, mas sobre as consequências do exercício político sob o signo do embate entre grupos antagônicos – um embate inteiramente pragmático; nada ideológico;  um embate de espaços, de mando, de ocupação do poder; nada sustentável.

Falei, na coluna da semana passada, sobre o recente processo de “futebolização da política nas redes sociais”. Mas, em Cabo Frio, já assistimos há muito tempo um Fla x Flu decadente, um espetáculo sem brilho, sem arte, sem craques e com muita firula – que, ao sabor da modernidade, também sai das esquinas, vielas e bares para as plataformas digitais. É verdade que somos personalistas por natureza. Apegamo-nos a pessoas; não a coisas. Lembramo-nos mais das pessoas, menos das ideias. Ora, qualquer desavisado conhece Sócrates, Marx, Freud, Einstein. Mas... o que disseram?

Há, entretanto, por aqui, uma personalização sistêmica da política através desta disputa – o que não é exclusividade de Cabo Frio, mas é algo que, por ter colocado o município num anestésico berço esplêndido à espera de salvadores da pátria, merece ser execrado justamente em um momento de crise. 

Momento de crise, aliás, para o qual poderíamos ter nos preparado muito melhor se parcela da sociedade não padecesse da síndrome das resoluções prontas e rasteiras como: “culpa disso é de Fulano; só vai melhorar com Beltrano”, não raro seguido do desafio do oponente com sangue escorrendo pela boca: “nada disso, na época de Beltrano era muito pior, você reclama porque não tem portaria”. Fulano e Beltrano têm nome e sobrenome: Marquinho Mendes e Alair Corrêa. Muitas são as suas diferenças, mas há entre eles uma grande semelhança: nenhum dos dois deixou um grande legado a ser desfrutado a longo prazo por Cabo Frio; nem mesmo no turismo, o que seria o mais lógico, nem mesmo na valorização do vasto patrimônio histórico e cultural de uma senhora cidade de 400 anos.

É o resultado de políticas públicas imediatistas, de olho nas eleições seguintes, e da administração pública formada por compadres – sob aplausos e vaias do eleitor-torcedor. Aos 400 anos, Cabo Frio precisa se emancipar de si mesma: deixar para trás a sina da cidade partida, sinônimo de atraso, e se unir por um futuro verdadeiramente digno.