Assine Já
domingo, 15 de dezembro de 2019
Região dos Lagos
29ºmax
21ºmin
Apartamento
AP REC BANNER
vagas

Qualificação de mão de obra em Cabo Frio faz sobrar vaga no mercado 

Índice da cidade supera a média nacional

11 agosto 2014 - 11h29Por Nicia Carvalho/ Foto: Johnny Costa
 Qualificação de mão de obra em Cabo Frio faz sobrar vaga no mercado 

Uma equação que não encontra um denominador comum – que não consegue se fechar a contento. Assim pode ser definida a relação vagas versus profissionais, pelo menos em Cabo Frio.  Toda semana, das 90 vagas colocadas à disposição através da Agência Estadual de Trabalho e Renda, o antigo Sine, sobram 70. A formação exigida é, principalmente, de Ensino Médio. Vagas que exigem nível superior, dependendo da função, são duas por semana. O principal motivo para a conta não bater é a falta de qualificação dos candidatos, segundo Ana Cláudia Melo Vieira, coordenadora do Sebrae em Cabo Frio.

– A maior dificuldade dos empresários na hora de contratar é não ter mão de obra qualificada na região – analisa. 

Das cidades da Baixada Litorânea, o município já foi considerado como um bom centro de fluxo de vagas e de contratações, mas há cerca de seis meses a realidade mudou. O índice chegou a 70%, contra aproveitamento de cerca de 90% no mesmo período do ano passado. Ainda segundo a Agência Estadual na cidade, os motivos que engrossam a lista de razões para a conta não fechar são os mais variados: candidatos que retiram a carta de apresentação e não comparecem à entrevista; o salário, que muitas vezes não interessa; e, em alguns casos, a qualificação do profissional é maior do que o trabalho oferecido. Outra razão apresentada é a onda de preferência pelo mercado offshore. No entanto, vagas para o setor não aparecem com facilidade.

As áreas com mais ofertas de vaga são comércio, hotelaria e restaurantes, em funções como camareira, cozinheiro e auxiliar de cozinha, recepcionistas e auxiliar de serviços gerais. Já as funções de auxiliar de escritório, assistente administrativo o entrave, muitas vezes, é a falta de experiência na carreira.  Na área de contabilidade, por exemplo, a dificuldade na hora de contratar pode esbarrar na falta de habilidades com determinados programas de computador, como os gerenciadores de planilhas. A ferramenta é fundamental para as atividades da área contábil.

Para áreas de formação superior a realidade não é diferente. Há semanas, o Sine está com duas vagas pendentes no sistema para engenharia, no setor de construção civil. O entrave, neste caso, costuma ser a falta de experiência no setor, preferencialmente em obras de grande porte. Contratar vigias também é difícil. Para a função toda semana 60 vagas são abertas, mas o índice de preenchimento beira apenas a metade. O motivo: falta de curso específico e de certificado, que precisa estar atualizado a cada dois anos. Outra razão apontada é a preferência dos empregadores por moradores de Cabo Frio, o que barateia o custo com passagem. De cada dez vagas, apenas três são preenchidas por profissional de outras cidades.

Fim de ano e seguro desemprego

Cerca de 70 vagas semanais deixam de ser preenchidas no mercado de trabalho de Cabo Frio

A expectativa do Sine é de que o cenário volte a melhorar com a proximidade do fim do ano. O setor de comércio, ao lado do turístico, é responsável por grande parte das contratações na cidade durante este período.

Por outro lado, o índice de entradas no seguro desemprego este ano aumentou consideravelmente. Em abril, chegou a quase 500 contra pouco mais de 100 no fim do ano passado. De acordo com o Sine, nesta época a taxa costuma elevar por conta das dispensas das contratações extras para o fim do ano. A partir da metade do ano, o índice sobe em razão das liberações de trabalhadores do período de férias. Portanto, o número de pessoas sem emprego fixo pode ser medido pela taxa de empregabilidade da baixa temporada. Hoje, este número gira em torno de 6,8%, um pouco acima da média nacional, que foi de 4,9% em abril deste ano, por exemplo.

No entanto, Cabo Frio vem melhorando e apresentando resultados expressivos. Um levantamento feito pelo Ministério do Trabalho através do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado em janeiro deste ano, revela que o município de Cabo Frio encerrou o ano de 2013 em 10º lugar entre as cidades do Estado que mais geraram emprego formal no último ano na área do comércio (1.891 contratações).