Assine Já
domingo, 05 de fevereiro de 2023
domingo, 05 de fevereiro de 2023
Cabo Frio
25°C
trote

Número de trotes aumenta e atrapalha os Bombeiros

Ligações falsas representam 35% das chamadas recebidas

10 março 2015 - 10h38Por Nicia Carvalho
Número de trotes aumenta e atrapalha os Bombeiros
Em meio às tribulações do dia a dia para exercer a função de socorrer, o 18º Grupamento de Bombeiro Militar (GBM), sediado em Cabo Frio e que abrange as cidades da Baixada Litorânea, encontra mais um elemento que dificulta o trabalho: o trote. As ligações, que aumentam na baixa temporada, representam 35% das chamadas recebidas pela corporação.
– Recebemos esse tipo de ligação todos os dias. Apesar do toda a triagem que fazemos, ainda há casos de a equipe se deslocar e quando chega ao local constata que não havia nada – criticou o tenente-coronel Leonardo Couri, comandante da corporação.
Segundo ele, na baixa temporada o número cresce por causa do período escolar e geralmente as ligações falsas são feitas por crianças e adolescentes. Ao longo do ano, são feitos 25 falsos avisos de socorro. Mas, de acordo com o comandante, o número pode ser maior, já que nem toda chamada se transforma em falso aviso. Neste fim de semana, por exemplo, ao verificar as ocorrências no quartel, a reportagem da Folha foi informada que não havia registros, apenas de uma chamada, que era trote.
– Com a triagem conseguimos identificar algumas destas ligações e como a equipe não chega a sair do quartel não entra para essa estatística. Só quando a unidade de socorro se desloca – explicou. 
Para tentar minimizar os efeitos deste tipo de ação, o comandante explicou que segue alguns parâmetros para confirmação do socorro.
– Prejuízo é enorme para a própria população porque impede uma resposta mais rápida e eficiente num chamado real já que uma viatura, com equipe está atendendo uma ocorrência falsa – exemplificou, acrescentando que quando o falso aviso é confirmado, a identificação é encaminhada para a autoridade policial. 
De acordo com o Código Penal, a punição para quem pratica este tipo de atitude é detenção de seis meses a um ano ou pagamento de multa.